Comportamento – Paciência: esse á a palavra-chave para pais e mães que estão vivenciando o processo de retirada das fraldas do bebê. Nessa fase, de nada adianta querer apressar as coisas. Tudo deve ocorrer de forma natural e com a colaboração da própria criança. Caso contrário, a pressão dos pais sobre os pequenos pode resultar em problemas sérios, como a prisão de ventre, por exemplo.

De olho no tema, a Alô Bebê, maior rede de lojas de produtos infantis do Brasil, reuniu algumas dicas para ajudar os pais no desfralde. Confira a seguir:

• Os especialistas recomendam que a fralda não seja tirada muito antes dos 2 anos de idade. Observe os sinais do seu filho ou filha.

• Observe se a criança percebe e reclama quando está com a fralda suja ou então avisa se vai fazer alguma necessidade. Quando os pequenos começam a ter essas atitudes, é sinal de que o processo do desfralde pode ser iniciado.

• Depois, é necessário comprar um penico para a criança, explicar para o que ele serve e esperar ela se familiarizar com o objeto. Feito isso, o próximo passo é estimulá-la a fazer suas necessidades ali, sempre conversando e explicando o porquê dessas mudanças.

• Apenas depois que o bebê conseguir acordar pela manhã com a fralda seca é que se pode arriscar tirá-la também durante a noite.

• Muitas vezes as crianças se esquecem de pedir para ir ao banheiro, por isso os responsáveis devem perguntar se ela está com vontade várias vezes ao longo do dia. Depois de seis meses, já é possível considerar o processo completo.

• Depois do penico, os pais devem incentivar a criança a usar o vaso sanitário. Os redutores de assento são auxiliares eficazes nessa fase de adaptação.

• Algumas crianças demoram mais que outras para deixarem as fraldas, mas isso é super normal. A entrada na escola também colabora para que o próprio pequeno queira deixar o uso, já que lá verá exemplos de coleguinhas.

• Vale ressaltar que o mais importante é fazer desta transição um período de proximidade e amor com o pequeno.