Manaus – Em mais uma tentativa de censurar a imprensa local em noticiar os fatos sobre a vida do político Amazonino Mendes, a coligação Juntos Podemos Mais entrou com uma ação judicial contra o Portal CM7 Brasil, defendida pelo advogado João Bosco Lopes Maia Júnior, de OAB de número 8.107.

O juiz da 2ª Zona Eleitoral, Moacir Pereira Batista, não se curvando a velha política e influência de Amazonino Mendes, deu como indeferido o pedido do candidato do Podemos, que havia entrado um processo solicitando a remoção de do conteúdo, segundo ele- Amazonino-, calunioso.

A publicação veiculada no Portal CM7, é referente ao escândalo envolvendo o filho de Amazonino, que foi acusado de ser mandante do homicídio de um empresário, em São Paulo.

O excelentíssimo entendeu que o conteúdo da notícia não possui teor difamatório direcionado ao candidato.

“Tendo em vista que o conteúdo da matéria veiculada refere-se, na verdade, ao filho do candidato a prefeito da coligação representante, sem teor ofensivo, calunioso ou injuriante direcionada ao aludido candidato”, alegou Batista.

Com a decisão do Juiz Moacir Pereira Batista diante deste processo, Amazonino Mendes e a coligação PODEMOS contabilizam 16 derrotas, junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), para o Portal CM7, de propriedade da diretora-presidente Cileide Moussallem.

Cileide Moussallem desafiou a coligação que tentou de todas as formas silenciar a verdade. Moussallem tem caráter forte, personalidade firme e há 5 anos dirige o maior e mais acessado portal de notícias do Amazonas, com mais de 15 milhões de acessos e uma rede social mais engajada e respeitada de Manaus.

LEIA TAMBÉM (CLIQUE NOS LINKS): 

TBT: Filho de Amazonino é acusado de ser o mandante do homicídio de empresário em São Paulo

Amazonino perde processo contra CM7 e juiz alega: “Não houve fake news, é interesse público”

Amazonino é derrotado em mais uma tentativa de silenciar o Portal CM7. A liberdade de expressão é garantida pelo juiz eleitoral

Derrota fora das urnas: Amazonino perde ação contra o Portal CM7, a matéria é de “interesse público”, afirma juiz