Os pais precisam se reinventar, pois os filhos de quase todas as idades tem frequência nas
redes sociais.
Você sabe quantas e quais mídias seu filho faz parte, você tem seus endereços eletrônico e
senhas digitais? Por que você deve ter essas informações?
Existem razões para você estar antenado no mundo paralelo das multimídias, pois tem gente
andando mais lá.
Você sabe quem são os amigos dos seus filhos?
Você consegue identificar quem são as seis pessoas que ele mais interage virtualmente?
Qual a reputação virtual dele?
Quais têm sido os assuntos que ele tem se interessado nos últimos três meses e por isso
compartilhou, publicou e comentou?
Nos casos que os filhos não têm ainda seus próprios perfis, qual a idade ideal para você
permitir a inclusão, mesmo sabendo que é exigida a maior idade civil no preenchimento do
cadastro?
Existem estudos que apoiam a idade de 12 anos para a criança tem um pouco de
entendimento para lidar com a exposição, rejeição e todos os sentimentos tóxicos que vai
enfrentar, existe também os perigos quanto ao assédio, relacionamentos virtuais, pedofilia,
pornografia, críticas e até os crimes cibernéticos.
Neste caso, você poderia pedir para o seu filho fazer uma redação, com pesquisa sobre as
vantagens e desvantagens de nascer virtualmente, sobre o fato de podermos ser
responsabilizados civil e penalmente pelo que publicamos e compartilhamos, inclusive sobre a
reprodução de material veiculado na internet com direitos autorais para conseguir notas.
O que você ganha ou perde se estiver conectado com seu filho?
Jovens, como construir uma amizade sólida na vida real se você passa mais tempo na internet?
Você já tomou banho de chuva com seus amigos? Já fez um pinique ou uma guerra de
travesseiros? Brincou de barra bandeira, de pega esconde, pula marreca ou fez uma maratona
de jogos?
Quem vai te dar um abraço e segurar na sua mão, quem vai te tocar e gargalhar contigo ou
enxugar suas lágrimas? Parece simples dizer que as mesmas pessoas que você construiu
memórias investindo tempo, dedicação, cumplicidade e amor.
Pai e mãe, vocês são um bom exemplo para seu filho quando o assunto é comunicação?
Quando um adulto está passando muito tempo na internet, nada parece ser mais natural do
que acrescentar uma segunda tela para a criança e fazer com que ele “fique quieto”, não
incomode o adulto, e assim pais e filhos estão se desligando e nasce uma família sem conexão.

E assim sem interação, caminhamos distraídos, entretidos com o mundo virtual, sem ideias e
sem um plano para realizar os nossos sonhos. Sonhos? Que sonhos? As pessoas quase não
dormem mais.
Liberte suas emoções e comunique para o mundo a sua melhor versão.
Se você gostou dessa coluna, compartilhe, comente e me siga nas minhas redes socias
FECEBOOK munirarocha e INSTAGRAM munirarocha12.