Manaus – O Amazonas cresceu 4,0% na Industria em 2019 e assumiu a segunda posição em relação às outras Unidades da Federação. Os melhores desempenhos foram os do Paraná (5,7%), Amazonas (4,0%) e Goiás (2,9%); os piores foram os do Espírito Santo (-15,7%), Minas Gerais (-5,6%) e Bahia (2,9%).

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as principais atividades que influenciaram no crescimento, foram a impressão e reprodução de gravações (519,5%) (DVDs e discos), que teve percentual fora da curva, devido à alta, após longa série de quedas na produção; a fabricação de bebidas (33,6%); a fabricação de máquinas e equipamentos de informática e eletrônicos (20,9%); a fabricação de produtos de borracha (18,4%) e a fabricação de máquinas e equipamento (artefato de aço e tampas e cápsulas), que cresceu 14,5%.

Ainda na comparação entre dezembro de 2019 e novembro do mesmo ano, três atividades tiveram desempenho negativo, a indústria extrativa (-3,3%) (óleo bruto de petróleo); a fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (-13,5%) (gás natural); e a fabricação de máquinas e equipamentos e materiais elétricos (-3%) (conversores, alarmes, condutores e baterias).

O desempenho da indústria amazonense de 12,2% no mês de dezembro de 2019, em relação ao mesmo mês do ano anterior, colocou o Estado do Amazonas na primeira posição entre as outras unidades da federação. Os piores desempenhos foram os dos Estados do Espírito Santo (-24,8%), Minas Gerais (-13,6%) e Bahia (-4,7%). Os melhores resultados foram os do Amazonas, com 12,2%, Rio de Janeiro, com 4,5%, e Ceará, com 4,5%.