Amazonas – Desde o dia 13 de maio deste ano, o titular da Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ), Alex Del Gíglio é investigado pelo MPE-AM (Ministério Público do Estado do Amazonas) por suspeita de recebimento de benefícios fiscais. Agora, o TCE-AM (Tribunal de Conta do Estado), notificou Del Gíglio a responder pela mesma denúncia no período em que comandava a AFEAM (Agência de Fomento do Estado Amazonas), entre novembro de 2016 até maio de 2018.

O TCE começou a investigar Del Gíglio após denúncias realizadas pelo procurador de Justiça, Pedro da Silva Costa, em novembro de 2018. O procurador apresentou vários documentos que apontavam que, Alex acumulava cargos no governo do Estado como presidente da AFEAM e auditor da SEFAM simultaneamente, com salários que somavam um total de R$46 mil por mês.

Como Del Gíglio era presidente da AFEAM, ele era proibido de trabalhar como empresário, mas de acordo com o procurador de Justiça, o atual coordenador da SEFAZ agia em sociedade em duas empresas privadas. Outra denúncia que está sendo analisada pelo TCE, é a de que Alex recolhia dinheiro público para depositar no Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) através de contas de membros do alto escalão da AFEAM.

De acordo com a assessoria de comunicação do TCE, a denúncia feita contra Alex Del Gíglio, está em fase de instrução processual, e como ele já foi notificado, agora responderá questionamentos realizados pela Diretoria de Controle Externo de Admissões Pessoais, como diz a lei em respeito do contraditório. O processo segue em tramitação.

Na última terça-feira, 14 de maio, o MPE publicou a instauração de um inquérito civil contra Alex Del Gíglio, pelo fato dele ter acumulado de maneira irregular, cargos na SEFAZ e na AFEAM.

Fonte: Amazonas1