Endocrinologista dá dicas para descansar e se alimentar para não perder ou ir mal na prova.

Os mais de 3 milhões de candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que farão as provas em dez estados e no Distrito Federal no horário de verão podem evitar sofrer com os efeitos da mudança no relógio com uma pequena mudança de hábito: dormir uma hora mais cedo na véspera do exame. Essa é a dica do endocrinologista Fabiano Lago para os estudantes que “perderão” em 4 de novembro.

Em 2018, o primeiro dia do horário de verão coincide com o primeiro dia de provas do Enem. Nos anos anteriores, o horário de verão começou pelo menos uma semana antes do exame, o que deixava tempo para os estudantes se acostumarem à mudança.

Porém, dessa vez, os dois eventos acontecem no mesmo dia, o que exige dos candidatos atenção e planejamento. Para os 3.087.626 de estudantes inscritos que farão a prova nos estados com horário de verão, o cuidado é para descansar. Para os 2.426.036 candidatos que moram nos demais estados brasileiros e farão as provas parcialmente em um horário local matutino, o cuidado é para checar o horário local das provas e se preparar para não passar fome.

Veja as dicas abaixo:

Dicas para todos os candidatos

  • Alimentação nos dias anteriores:

Segundo Fabiano Lago, uma dica que vale para todos os candidatos, independentemente do horário local de provas, é evitar comer fora de casa nos últimos dias antes da prova. “Até uns dois dias antes da prova, não é indicado que o estudante vá comer muito fora, porque a chance de intoxicação alimentar é grande, e às vezes leva dois ou três dias para melhorar”, recomendou o endocrinologista.

  • O que levar para comer e beber:

O médico diz ainda que os alimentos que cada candidato deve levar consigo para o local de provas não muda de acordo com o horário local. Quem vai fazer a prova só depois do almoço e quem vai estar no meio da prova no horário normal de almoço só deve levar comidas leves e sem gordura.

“O Enem é uma prova extensa com muitas questões e não é tanto tempo, então a pessoa não pode ficar perdendo muito tempo para comer”, explicou Lago, ressaltando que a praticidade é um fator a ser levado em conta. Ele recomenda frutas como banana, de fácil consumo, ou que já estejam picadas e embaladas em potes transparentes. Além disso, outro alimento fácil de comer e que não vai afetar o corpo na hora da prova são as barrinhas de cereal.

Também é importante beber água durante toda a prova. “Em especial se a pessoa estiver em sala de clima quente, muitas vezes a sala fica abafada”, complementa o especialista.

  • O que não levar para comer e beber:
  • Comidas gordurosas são um dos principais inimigos do estudante durante a prova, afirma o médico. O motivo é a dificuldade do corpo em digeri-las. Por isso, ele recomenda apenas os alimentos leves. Chocolates e outros doces só são recomendados em quantidade muito pequena, por exemplo.

    Alimentos que são difíceis de consumir, como pratos de comida ou pacotes de comida gordurosa, não devem ser levados para o local de prova para evitar sujeira e desconcentração. Lago dá outro alerta sobre o chocolate: “Em uma sala quente, ele derrete.”

    Dicas para quem entrará no horário de verão

    • Estados que estarão no horário de verão:

    Dez estados e o Distrito Federal estão incluídos no horário de verão. Eles ficam nas regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste. São eles: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

    • Estados que permanecerão no mesmo horário oficial de Brasília:

    Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

    No caso do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, os dois estados já estão uma hora atrás em relação ao horário oficial de Brasília e, portanto, essa diferença permancerá a mesma.

    • O que fazer na véspera:

    Para evitar que a alteração do relógio afete tanto a pontualidade quanto o desempenho, o ideal é que o estudante vá dormir uma hora antes no sábado (3), para não sentir muita diferença com a “hora a menos” durante a noite.

    “Dentro de uma situação normal, ou seja, em que ele não vai enfrentar uma prova para a qual passou o ano inteiro se preparando, o ideal é se preparar e dormir uma hora antes. Mas normalmente os estudantes não conseguem porque ficam agitados, ansiosos”, explicou Lago, ressaltando que, se as provas fossem aplicadas no período matutino, os efeitos poderiam ser piores.

    • O que comer antes do Enem:
    • Todos os estudantes que terão que chegar até as 13h no local de provas devem almoçar até as 11h30 no máximo.
    • “Na primeira hora e meia após a refeição a pessoa está tendo digestão intensa. E com certeza deve almoçar comida leve. Salada, arroz, feijão e uma carninha, nada diferente disso”, recomenda Fabiano Lago.
    • Segundo ele, a desvantagem de comer muito antes de fazer o Enem é que uma refeição muito pesada ou gordurosa faz com que o aparelho digestivo necessite de mais esforço para fazer a digestão. Isso aumenta o fluxo de sangue para o local, e faz com que o fluxo de sangue para o cérebro diminua.
    • “Isso tira a concentração da pessoa. Ela realmente fica com moleza, com sono, porque o sangue que deveria ir para o cérebro vai para o intestino”, explica Lago.
    • Frutas, barrinha de cereal e água continham sendo as melhores opções para evitar a falta de concentração. Além disso, ele não recomenda que o estudante para durante um único momento para comer tudo o que levou para o local de provas.

    Fonte: G1 Globo

Tags: , , , , ,