Exemplo de superação: pastel colorido e mil reais emprestados mudaram a vida de uma família

Por Thiago Quara em 12 de janeiro de 2022 às 10:27 | Atualizado 12 de janeiro de 2022 às 10:27

Brasil – Mãe de quatro filhos, Kelly Solange de Souza, de 35 anos, estava deitada à noite em casa, quebrando a cabeça sobre o que faria para quitar as contas atrasadas em plena pandemia. Na vontade de ter o próprio negócio, ela se lembrou de uma das receitas que o brasileiro adora: o pastel. Mas sabia que precisava de um diferencial para dar uma guinada verdadeira.

Foi então que ela e o marido correram atrás do investimento. “Peguei mil reais emprestado e comprei as massas e os recheios”, conta. Assim, nasceu a Kelly Pastelaria, em Ribas do Rio Pardo, que hoje, é comandada por ela, marido, o tio e os filhos.

Mas no lugar de um pastel simples, a família optou por vender pastéis de massas com sabor e coloridas. Tem massa tradicional, integral, de pimenta, ervas finas, alho, morango, chocolate, bacon, queijo, cebola, churrasco, calabresa e napoli. Cada uma de cor diferente, sendo amarela, vermelha, verde, roxa, rosa, marrom e por aí vai.

A produção começou em casa mesmo e com a venda através de grupo de WhatsApp. Não demorou muito para a cozinha de casa ficar pequena e ela precisar alugar um cantinho.

Depois, a família foi para um trailer e vendia mais de 100 pastéis por dia. No cardápio, incluiu lanches, já que nem todo mundo curte a fritura.

Após um período no trailer, a família optou por alugar um espaço. A pandemia até causou dúvidas se era viável ou não ir para um espaço físico, no entanto, a chegada de uma fábrica de celulose na cidade, que tem movimentado a economia e gerado grande expectativa nos moradores, motivou Kelly, que alugou um espaço.

Na fachada, o lugar ganhou telhado de sapê e mesas plásticas para atendimento. Fim de tarde, o lugar bomba para saborear a variedade de pastéis. Os coloridos, claro, são os prediletos. E os sabores variados. “Tem gente que fala que meu pastel é um jantar, porque eu não economizo no recheio”, diz.

Sem essa economia, ela acabou conquistando moradores de Ribas do Rio Pardo e turistas, que têm feito da pastelaria um ponto de parada para saborear os pastéis com suco ou refrigerante.

Sobre o sucesso, Kelly é humilde. “Tem gente que acha que eu quero crescer e ficar rica, mas não é isso. Minha vontade é só dar qualidade de vida para a minha família e ficar em paz”.

Informações Campo Grande News

Deixe seu comentário