Irã – Uma menina de 10 anos foi morta pelo próprio pai, que a estrangulou com o cinto porque ela “levantou a voz” para ele.

O pai de Little Hadith Orujlu, Hussein Alef, admitiu ter matado a garota. Para cometer o ato ele usou um cinto que é usado em seu manto para sufoca-la.

A mídia local informou que, no tribunal, Hussein admitiu perguntar ao seu vizinho qual seria o castigo por assassinar sua filha e sentiu que ele entendeu que não seria punido.

Hussein confessou à polícia: “Minha filha levantou muito a voz para mim; fiquei com raiva por um momento e não consegui mais me controlar.”

Uma testemunha chamada Rahimeh Faizi disse: “Ele sabia que, por ser pai, a lei não punia severamente.
“Ele disse: ‘Pagarei um resgate e ficarei na prisão por alguns anos'”.

Relatórios forenses descobriram que a jovem havia morrido de asfixia depois de ser estrangulada, informou a Iran International TV.

Segundo a lei da Sharia no Irã, “olho por olho”, o assassinato é punível com a morte.

Mas a lei oferece isenções para a morte de uma criança por um responsável legal, que geralmente é usado para se referir ao pai ou avô.

Raha Bahreini, pesquisadora do Irã na Anistia Internacional, disse à Fox News: “Pais ou avós paternos que matam seus filhos ou netos não estão sujeitos à proporcionalidade, o que pode exacerbar o risco de ‘crimes de honra’ contra meninas e mulheres.”