Manaus ­­(AM) – Entre lendas, costumes e tradições, a Região Amazônica possui diversos misticismos que são pratos cheios para alimentar o imaginário popular. Histórias como cobras gigantes, Matinta Pereira e até o boto que se transforma em homem para atrair ribeirinhas fazem sucesso até os dias atuais e dão uma pitada de magia na floresta. O boto inclusive é associado à fertilidade e ao poder de atração.

Contrariando os ambientalistas, ainda é possível encontrar nas feiras de Manaus óleos e perfumes que seriam produzidos a partir dos órgãos sexuais desse tipo de mamífero aquático.

O óleo, ou “perfume da Bota”, é usado para aumentar a atração sexual de quem busca conquistar uma companhia amorosa ou apenas parceiros sexuais. A poção faz sucesso entre as milhares de ervas naturais vendidas no mercado da cidade. Quem usa, garante que funciona. 

Comércio – 

No Mercado Municipal Adolpho Lisboa, situado no Centro de Manaus, a comerciante Jaqueline Lobo, 30, trabalha vendendo ervas amazônicas em uma das bancas. Há pouco mais de 1 ano na atividade, ela conta que o espaço oferece chás para diferentes demandas, além de remédios naturais à base de plantas para limpeza do organismo e também para diversas infecções.

Entretanto, segundo Jaqueline, o carro chefe das vendas são as bebidas, óleos e banhos para aumentar a libido. Entre as opções, o “perfume da Bota” é considerado uma substância mágica em forma de aroma. O produto é elaborado com a mistura de algumas ervas, álcool e feromônios da genitália da bota.

A crença explica que o aroma, resultado da mistura dos ingredientes, “causa” atração sexual entre aqueles que sentem o cheiro na pele de quem usa. Jaqueline explica que além do perfume, a poção também pode ser aplicada a um lubrificante e usado em relações sexuais. Independente das formas usadas, a comerciante garante por experiência própria que o produto funciona.

“Se eu soubesse que funcionava mesmo, eu nem tinha usado. Isso porque agora o ‘boy’ não quer mais sair do meu pé. Agora não quero segurar mais nada, quero só curtição. Mas para quem quer chamar homem ou mulher, o perfume realmente funciona”, confirma Jaqueline.

Na banquinha dela é possível encontrar o “perfume da Bota” e a versão da poção em lubrificante íntimo pelo valor de R$20. As histórias relacionadas a crendice popular sobre o uso do perfume atravessam gerações. Ainda de acordo com a vendedora Jaqueline Lobo, a tradição é reflexo de um comportamento que nasceu nas comunidades do interior da Amazônia.

“No interior as pessoas acreditam em uma lenda onde o boto vira um homem e sai da água para namorar com as meninas que ficam na beira do rio. Por isso a população passou a acreditar que usar a essência íntima da bota colabora para arrumar um parceiro, que sente o cheiro dos feromônios aplicados junto com o perfume”, explica a comerciante.