O deputado estadual Wilker Barreto (PODEMOS), que atua na oposição ao Governo do Estado na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), mas não cuida das próprias dívidas, foi processado pelo condomínio de luxo Vivenda Verde, no Tarumã-Açú, zona Oeste de Manaus, pelo não pagamento, de maio de 2019 a janeiro deste ano, das taxas condominiais de uma de suas residências, localizada na Quadra L, n 03. A assessoria jurídica do condomínio precisou ingressar na Justiça com o pedido de pagamento, acrescido de juros, de R$ 4,21 mil pela irregularidade. Um acordo foi celebrado no último dia 6 e aguarda o aval do titular da 5ª Vara do Juizado Cível da Capital para passar a valer.

Após ser homologado, o valor deverá ser pago via boleto bancário, no prazo estipulado pela Justiça, sob pena de acréscimo de mais 20% sobre a dívida. O processo tramita sob o número 0622138.23.2020.8.04.001 . Documentos aos quais o portal teve acesso mostram que a taxa condominial é de R$ 666 ao mês. O valor relativo a maio de 2019 passou para R$ 736 com o acréscimo dos juros.

De acordo com a declaração de bens fornecida por Wilker Barreto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2018, ele dispõe de um lote no condomínio, avaliado em R$ 60 mil. Além disso, Barreto declarou outros dois apartamentos, sendo um duplex localizado na avenida Prof. Nilton Lins, em Flores, no valor de R$389 mil e um imóvel no Condomínio SP4U, no bairro Liberdade, em São Paulo (SP). A declaração total de bens do parlamentar somou mais de R$ 1 milhão.

Wilker Barreto é citado em outros processos na Justiça Estadual. Entre eles, está o que apura a prática de nepotismo em função da contrataçã

o do próprio Sogro, Raimundo Flávio Moreira da Silva, para um cargo de diretor na Câmara Municipal de Manaus (CMM), quando o parlamentar respondia como presidente da Casa.

Fonte: Amazonas News