Manaus – Nesta quinta-feira (26), o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) cassou, por maioria de votos, o mandato do prefeito de Presidente Figueiredo, Romeiro Mendonça (MDB), e o vice-prefeito da cidade, Mário Abrahão. Segundo a Justiça eleitoral, os dois são acusados de abuso do poder econômico nas Eleições 2018.

Doações irregulares teriam sido feitas durante a campanha por fonte vedada. Pessoas físicas fizeram doações para campanha com recursos que, na verdade, tinham origem em pessoa jurídica. 80% do valor declarado por Romeiro, cerca de R$ 170 mil, eram ilegais.

Romeiro conseguiu convencer o relator do processo, desembargador Aristóteles Thury, que votou pela manutenção do mandato do prefeito, mas a juíza federal, Ana Paula Serizawa e os desembargadores eleitorais Ronie Stones, Luiz Felipe Medina, Giselli Pascarelli e Marco Antônio Pinto, foram favoráveis a cassar o mandato do prefeito e do vice-prefeito.

Eles aguardam agora, o voto vista o “esgotamento das vias ordinárias do recurso” da decisão dada pela juíza Ana Paula para que a sentença final seja decretada.

Enquanto isso, Romeiro e Mário permanecem em seus respectivos cargos. Caso o TRE-AM mantenha sua decisão, cabe recurso ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Porém, sem efeito suspensivo da cassação e, portanto, do afastamento dos políticos de Presidente Figueiredo.