Manaus – A ex-deputada federal, economista, empresária e política Rebecca Garcia (PP), declarou que é pré-candidata ao governo do Estado, num claro rompimento de acordo com o presidente da Assembleia Legislativa Estadual do Amazonas (Aleam), David Almeida (PSB).

A ex-deputada tinha um acordo firmado entre os dois para que a definição do cargo que iriam disputar, Senado ou Governo, só fosse decidido após avaliação de pesquisas eleitorais. Mas, a decisão e indefinição de Rebecca em relação ao acordo firmado, começa a fazer baixas no seu próprio partido e embolar o jogo da oposição, que já se encontrava com time formado e esquema tático definido.

Rebecca, que ficou em terceiro lugar na eleição suplementar para o governo em 2017, ‘acredita que seu nome ainda está na cabeça dos eleitores’. “Eu acabei de sair de uma campanha a governadora. Então nada mais lógico que meu nome esteja colocado à disposição da população. Mais uma vez eu enfrentarei esse desafio”, justifica-se.

“Sou pré-candidata ao governo porque as pesquisas eleitorais mostram meu nome extremamente competitivo nas eleições de 2018” afirma a ex-deputada.

Contradizendo o que disse, Rebecca afirma que no cenário atual, onde aparece bem nas pesquisas, o acordo entre ela e o David está mantido. “Se for um cenário como estamos hoje, não tem porque mudar o acordo”, declarou.

Os Bastidores

O ex-governador interino David Almeida aparece como favorito entre os candidato ao Governo do Estado. Na semana passada, no ato de filiação ao PSB, ele demonstrou força política ao juntar 11 partidos (PSB, PP, PT, PCdoB, Podemos, PSL, PR, PROS, PEN, AVANTE, PMN) e ainda está conversando com mais duas legendas.

Ao continuar assim, vai formar uma “Frente Ampla de Oposição” há muito tempo não existia. David declarou na ocasião que “se todos nós estivermos unidos nessa eleição, o Amazonas vai fazer a virada. Derrotar essa dinastia política que está no poder há mais de 36 anos”.

Para David Almeida, ao ser questionado sobre a pré-candidatura de Rebecca ao governo, ele diz que continua conversando com a ex-deputada, buscando uma unidade e desejando que ela fique nesse grupo.

“Juntos nós somos fortes. Separados viramos árvores na paisagem”, afirmou David Almeida.

Enquanto David demonstra força ao aglutinar 11 legendas partidárias em torno de si, a ex-deputada vê seu partido sendo desidratado, rachado ao meio. A saída da Deputada Federal Conceição Sampaio, da ex-vereadora Pastora Luciana e o empresário Tabosa, é o resultado da indefinição de quem acredita que ainda tem os mesmos votos de uma eleição atípica, como foi a eleição suplementar para o governo em 2017, da qual Amazonino Mendes venceu, mas não está levando.

O lançamento da pré-candidatura de Rebecca ao governo pode levá-la ao isolamento político ou, de volta ao berço dos velhos caciques, de onde, talvez, nunca saiu. Rebecca está perdendo a chances de se viabilizar numa candidatura majoritária nesse campo de oposição e tende a ficar mais quatro anos sem mandato.

Fonte: Correio da Amazônia