Manaus – Nesta terça-feira (4), políticos de Manaus criticaram as declarações do apresentador da TV Globo, Luciano Huck, sobre a Zona Franca de Manaus, em uma entrevista com o empreendedor André Esteves, sócio sênior do BTG Pactual.

Huck, na ocasião, disse que “é preciso mudar o foco” da Zona Franca de Manaus (ZFM), em relação aos polos de duas rodas e de eletroeletrônico, e endossou o investimento em biotecnologia. O apresentador da Globo sugeriu que, ao invés de geladeira, telefone e “tanque de motocicleta”, a Zona Franca de Manaus poderia produzir tecido, perfume, cosméticos, com insumos da floresta amazônica.

“O mundo inteiro quer consumir insumos da floresta, é tecido, perfume, cosmético e a gente ainda tem um modelo na Amazônia de isenção fiscal pra produzir geladeira, telefone, tanque de gasolina de motocicleta. Porque a gente não usa toda essa potência que a Zona Franca tem, que é importante para região, mas muda o foco”, disse o apresentador durante a live.

Foto: Reprodução

O parlamentar amazonense do partido Podemos, Abdala Fraxe, se pronunciou sobre o assunto. Na tribuna, ele declarou: “O Amazonas não precisa substituir nenhum meio de produção existente hoje, nós precisamos agregar outros. A ideia do apresentador de utilizar a biotecnologia é muito bem-vinda, mas sem abrir mão do que já temos”.

Para o deputado, o modelo econômico existente na região é inclusive a causa de 97% da Amazônia Brasileira estar preservada. “O nosso modelo é um modelo de sucesso, é preservacionista. Não é à toa que, neste momento de pandemia, os primeiros sinais de recuperação estão saindo do Polo Industrial de Manaus com toda a sua pujança”, alegou.

Foto: Divulgação

Sobre o assunto, quem também se pronunciou foi o vereador Amauri Colares (Republicanos), que do alto da tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM), declarou: “Cidadão que não é daqui, não conhece nossa região, talvez nunca visitou o distrito industrial para saber a importância da ZFM. Ela não é só uma zona franca do Amazonas, ela é de todo o Brasil. Não podemos permitir que um “caboco” lá de São Paulo venha desfazer da nossa cidade, do nosso Estado, principalmente do nosso parque industrial”, disse Amauri.

Foto: Divulgação