Manaus – O prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 3, que o programa “Renda Certa” lançado, ontem, pelo governador Amazonino Mendes (PDT) dá a impressão de que o governo pretende comprar votos. O programa, orçado em mais de R$ 38 milhões, atenderá mais de 30 mil pessoas no Amazonas com financiamentos a microempresários que variam de R$ 15 mil a R$ 500 mil para associações. Amazonino é pré-candidato à reeleição no pleito de outubro.

“O que ele pretende? Eu acho até que é uma ofensa, porque dá impressão de que é compra de voto. Isso deveria ser investigado. Tem Ministério Público exatamente pra isso. Do nada, a seis meses de uma eleição, se inventa uma doação”, questionou o prefeito.
Em matéria publicada nesta quarta-feira, 2, pelo Amazonas1, o Ministério Público Federal (MPF), que trata da fiscalização eleitoral, informa que vai acompanhar a execução do programa, “apesar de não ter recebido uma denúncia formal” contra a iniciativa.
Apesar das críticas, Arthur disse acreditar que o programa não influenciará na decisão do eleitor. “Amazonense tem brio, não vai vender voto pra ninguém. Vai votar em quem ele quiser. Não vai ser essa sedução barata que vai (…)”, afirmou.
Para o prefeito, é uma ofensa à cidadania, alguém imaginar que se inventar um programa de última hora vai estourar a “boca do balão nas urnas”. “Tem outras formas de ganhar voto, uma delas é trabalhar com seriedade a vida pública”, apontou o prefeito.
Ele questionou, ainda, a decisão do governador Amazonino Mendes de buscar a reeleição.  “Eu dizia a ele: não se candidate. Cumpra seu mandato. Só este mandato. Não invente mais nada. Nós vamos encerrar nesse mandato, o senhor vai fazer como eu vou fazer, o senhor não vai ser candidato e nem eu’”, relembrou Arthur ao citar o apoio que ele deu ao governador na campanha para a eleição suplementar de 2017.