A menos de dois meses do prazo para o término das convenções partidárias, que devem ser realizadas de 20 de julho a 5 de agosto, Manaus tem 13 pré-candidatos a prefeito declarados: Amazonino Mendes (Podemos), Davi Almeida (Avante), José Ricardo (PT), Alfredo Nascimento (PL), Josué Neto (PRTB), Alberto Neto (Republicanos), Marcos Rotta (DEM), Ricardo Nicolau (PSD), Conceição Sampaio (PSDB), Alfredo Menezes (Patriotas), Romero Reis (Novo), Hissa Abraão (PDT), Carol Braz (PSC) e Chico Preto (DC). Embora citados em pesquisas, o senador Eduardo Braga (MDB) e o deputado estadual Serafim Corrêa (PSD) não declararam intenção de disputar a sucessão do prefeito Arthur Neto (PSDB).

Mudanças até as convenções

Alguns desses devem desistir até lá ou passarem para condição de candidato a vice-prefeito por conta das alianças partidárias. Outros devem surgir principalmente entre os partidos nanicos e de esquerda. Será a eleição com maior número de candidatos ao cargo de prefeito da história da cidade. Não é por falta de quantitativo que o leitor deixará de votar.

Alfredo e Conceição

Está cada vez mais forte nos bastidores a possibilidade de o prefeito Arthur Neto apoiar uma chapa encabeçada por Alfredo Nascimento, tendo como vice, Conceição Sampaio. Arthur e Alfredo vem conversando desde o ano passado com frequência.

Recado de Arthur

Após desejo de feliz gestão, ao novo superintendente da Suframa, general Algacir Polsin, o prefeito Arthur Neto (PSDB) reclamou por não ter tido direito a falar na posse on line que aconteceu na quarta-feira (17), mas mandou um recado nas redes sociais: “eu teria dito que, no ritmo da atual presente toada, com ou sem incentivos fiscais, a Zona Franca não subsistirá por muito tempo. Seu parque industrial está envelhecido. Não se investe, de verdade, em P&D, em inovação, em formação de robusto capital intelectual, em qualificação da mão de oba”.

Apoio de Bolsonaro

Ao lançar sua pré-candidatura a prefeito de Manaus, o ex-Superindentende da Suframa, coronel Alfredo Menezes deixou claro que não quer apoio de nenhum político tradicional do Estado e que a ele só interessa o apoio do presidente Bolsonaro. Não poupou críticas à bancada do Amazonas, responsável por sua demissão do cargo de superintendente. O detalhe é que Bolsonaro anunciou que não pretende apoiar nenhum candidato a prefeito este ano. Mas Menezes ainda tem esperanças.