“Com a revogação do decreto lei a nossa cultura milenar de plantio do milho será valorizada”, afirmam os indígenas

Lideranças do Movimento Indígena Livre do Estado do Amazonas estiveram hoje (27), no Stúdio 5, na abertura da I fesPIM para levar apoio ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, que revogou o decreto lei 6.961/2009 que impedia a plantação de cana de açúcar/milho no Estado do Amazonas. Na Carta também foi elogiado o Presidente da Assembléia Legislativa do Amazonas, Deputado Josué Neto, o Governo do Amazonas e a empresa Milleniun Bio Energia. A “Carta Aberta de Apoio” foi assinada pelo Cacique Jair Miranha e entregue ao Gabinete da Presidência da República por Paulo Apurinã.

Leia a integra da Carta Aberta de Apoio:

Movimento Indígena Livre do Estado do Amazonas

Carta Aberta:

Nós lideranças indígenas viemos aqui agradecer ao presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, por ter aberto a porta do agronegócio na Amazônia revogando o decreto lei que impedia o plantio de cana de açúcar/milho dando assim oportunidade para empresas como a Millennium Bio Energia que ja faz parte da geração de emprego e renda no nosso Estado e acreditamos que através desses grandes projetos virão grandes oportunidades para o nossos povos tradicionais através do plantio de milho cujo será a principal atividade na qual faz parte da nossa cultura milenar e também foi recebida com alegria pelo nosso presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual, Josué Neto, e pelo governo do Estado do Amazonas e acreditamos que o nosso Presidente da República fará parte desse grande projeto que cria a expectativa de geração de mais de 30 mil empregos e renda em três municípios e assim fazendo um grande diferencial produzindo etanol de cana e milho de forma sustentável sem poluir o meio ambiente tendo responsabilidade com sustentabilidade na produção agregando valores valores que nós indígenas trazemos em nosso DNA que não agride o meio ambiente.

Cordialmente

Jair Miranha

Coordenador do Movimento Indígena Livre do Amazonas

Manaus, 27 de Novembro, de 2019.