A antecipação da estação das chuvas no Amazonas fez com que a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) também antecipasse a fase operacional do plano de ampliação de leitos, na rede estadual, para a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e Covid-19. O planejamento, feito para o período sazonal das síndromes gripais, que acontece de novembro a junho, prevê o aumento do número de leitos no Hospital Delphina Aziz e nas outras unidades de referência, em cinco fases, conforme a taxa de ocupação de leitos.

Em reunião nesta sexta-feira (23/10), o secretário Marcellus Campelo discutiu com a área técnica os ajustes necessários para acelerar as ações planejadas. “A pandemia não acabou aqui, nem em nenhum outro lugar do mundo. Observamos um recrudescimento da Covid-19 e, agora, entramos no período sazonal das SRAGs, onde temos mais de 20 tipos de vírus circulantes que provocam doenças respiratórias graves”.

O plano, que está encaminhado para conhecimento dos órgãos de controle e da Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), também será apresentado ao Comitê de Enfrentamento da Covid-19 na próxima segunda-feira (26). “Queremos que os órgãos de controle acompanhem tudo o que fazemos, inclusive, para que possam nos ajudar com sugestões e observações”, afirma o secretário.

Para esse planejamento, recursos humanos e equipamentos estão sendo providenciados. Ao mesmo tempo, pacientes que deram entrada por Covid-19 e que não estão mais com o vírus, mas precisam de cuidados para tratar as sequelas da doença, estão sendo transferidos para unidades de retaguarda.

Pensando nisso, o Governo está ampliando a parceria com o Hospital Universitário Getúlio Vargas e com o Hospital Beneficente Português para a ampliação desses leitos.

Reforço – Outras unidades da rede estadual, como o Hospital Adriano Jorge e Geraldo da Rocha, irão oferecer leitos de retaguarda para pacientes Covid-19 sem o vírus ativo e pacientes que necessitam de procedimentos vasculares menos complexos. O Governo está trabalhando para ampliar a oferta de cirurgias ortopédicas, vias biliares e vasculares, para esvaziar os Prontos-Socorros e hospitais.

Na próxima segunda-feira (26/10), iniciam as cirurgias ortopédicas de segundo turno, realizadas nos hospitais, no período noturno e nos fins de semana. A meta é realizar, em 30 dias, 180 procedimentos, além dos já realizados na rotina das unidades.

“O nosso planejamento é para o aumento gradual de leitos e também para a reorganização da rede para os pacientes de outras causas que, igualmente, precisam de assistência”, ressaltou o secretário.

Organização da rede – A rede estadual de saúde está organizada com 17 unidades de porta aberta para atendimento de casos suspeitos de Covid-19 e síndromes gripais. São seis Prontos-Socorros (03 adultos e 03 infantis), 09 Serviços de Pronto-Atendimento e duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Pessoas com sintomas leves podem procurar uma dessas unidades ou as 18 Unidades Básicas de Saúde da Prefeitura, já pessoas com sintomas graves devem procurar os Prontos-Socorros.

Antecipação de vacina e Hospital de Campanha – Paralelamente às ações de reorganização da rede de saúde, o Governo do Estado solicitou ao Ministério da Saúde a antecipação da vacinação contra a Influenza. Além do aumento gradativo de leitos nos hospitais do Estado, o Governo trabalha com a perspectiva da montagem de hospital de campanha prevista para a fase três do plano.