O ex-presidente e presidiário Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi denunciado pela força-tarefa da Operação Lava-Jato do MPF (Ministério Público Federal) no Paraná, sob a acusação de lavagem de dinheiro através do Instituto Lula.

A denúncia foi oferecida na última sexta-feira (11), mas comunicada apenas mesta segunda-feira pelo MPF.

Além de Lula, também foram denunciados Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda, e Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula. Eles são acusados de lavagem de dinheiro por meio de doações para dissimular o repasse de R$ 4 milhões entre dezembro de 2013 e março de 2014.

Segundo o MPF, investigações apontaram o repasse de propina da Odebrecht disfarçada de doação filantrópica. Os valores foram repassados, ainda de acordo com a força-tarefa, em quatro operações, cada uma no valor de R$ 1 milhão.

O MPF citou a existência de contas correntes informais de propinas entre as empreiteiras Odebrecht e OAS e o PT, “a partir das quais foram repassados valores milionários para a aquisição e reforma de imóveis em favor do ex-presidente Lula” — no caso, um triplex no Guarujá (SP) e um sítio em Atibaia (SP). As contas, descreve a denúncia, foram reconhecidas pela Justiça.