Candidato quer fomentar a produção tecnológica e propriedade industrial para impulsionar os registros de patentes em Manaus

O candidato à Prefeitura de Manaus David Almeida (Avante) propõe a implantação do projeto Inova Manaus. O programa visa integrar todos os centros de pesquisa com o Núcleo de Apoio aos Depósitos de Pedidos de Patentes, para impulsionar os registros de patentes no Amazonas.

David lembra que em 2018 a unidade regional do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) foi fechada em Manaus. Ele ressalta que, em 2017, o Amazonas foi o 18⁰ estado no ranking de propriedade industrial, contabilizando apenas 963 pedidos, atrás do Pará, Rio Grande do Norte e Paraíba, respondendo por apenas 0,6% dos pedidos de propriedades industriais no Brasil.

“Manaus tem contribuído pouco com a produção tecnológica e propriedade industrial, e nós vamos trabalhar e investir para ajudar esse quadro”, adianta, ressaltando que em 2017 Manaus foi destaque, apenas, em contratos de tecnologia e ocupou o terceiro lugar, com 68 registros, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro”, disse ele.

Exportação

Ao falar sobre o papel da Prefeitura de Manaus no processo de fortalecimento da produção na cidade para incentivar a exportação de bens e serviços, Davi disse que a diversificação da matriz de exportação de produtos industrializados no Polo Industrial de Manaus (PIM), um dos mais importantes do país, também passa pelo apoio ao incremento da produção tecnológica e propriedade e industrial.

“Nós vamos ser protagonistas no processo de fortalecimento do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) e vamos discutir e apoiar a diversificação da matriz de exportação de produtos industrializados em Manaus”, afirmou David. Ele ressaltou que o seu Plano de Governo conta com o Exporta Manaus, um Programa de expansão da exportação de bens e serviços.

O candidato lembra que o Amazonas – basicamente o PIM – contribui com cerca de 2,2% do Produto Interno Bruto industrial (PIB) industrial do Brasil e ocupa a 11ª posição entre os 26 Estados e Distrito Federal, à frente, por exemplo, do Distrito Federal, Ceará, Espírito Santo e Mato Grosso.

“Vale destacar que o ICMS industrial do Amazonas representa mais da metade da arrecadação total do ICMS no Estado˜, explica, com base em informações do exercício de 2019, quando o ICMS industrial chegou a 51,2% do total.

Com base nos números daquele exercício David Almeida ressalta, ainda, que o Amazonas contribuiu apenas com 0,6% das exportações de produtos industrializados, ocupando o 16º lugar no ranking, e 0,33% no total das exportações nacionais em 2019, faturando U$ 134,015 milhões, ficando com o 18º lugar.