Manaus 28º
terça-feira - 22 de março de 2022

Condenados por estupro estarão proibidos de ocupar cargos públicos após Lei de Capitão Alberto Neto

Compartilhe
Condenados por estupro estarão proibidos de ocupar cargos públicos após Lei do Capitão Alberto Neto

Brasília – Foi protocolado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei de n° 638/22, que proíbe a nomeação de condenados por estupro em cargos públicos. O referido Projeto é de autoria do Deputado Federal, Capitão Alberto Neto (PL), e tem como justificativa reforçar a prevenção e o combate ao crime de estupro e à violência doméstica e familiar contra a mulher, por meio de sanção administrativa, a exemplo dessa que propõe essa proibição.

Para o deputado, a iniciativa é a aconselhável: “Não nos parece razoável nem conveniente que a Administração Pública permita o ingresso em seus quadros de condenados por estupro e por violência doméstica e familiar contra a mulher. A violência contra as mulheres, em qualquer de suas formas, deve ser repelida, conjuntamente, pela sociedade e pelo poder público, com a punição efetiva dos agressores, não somente na esfera penal, mas também na seara administrativa” afirmou o parlamentar.

Violência contra mulher durante a pandemia

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 1 em cada 4 mulheres brasileiras (24,4%), acima de 16 anos, afirma ter sofrido algum tipo de violência ou agressão, nos últimos 12meses, durante a pandemia do covid-19.

Isso significa dizer que cerca de 17 milhões de mulheres sofreram violência física, psicológica ou sexual, no último ano.

Cinco em cada dez brasileiros (51,1%) relataram ter visto uma mulher sofrer algum tipo de violência, no seu bairro, ou comunidade, ao longo dos últimos 12 meses.

4,3 milhões de mulheres (6,3%) foram agredidas, fisicamente, com tapas, socos ou chutes. Isso significa dizer que a cada minuto,8 mulheres apanharam, no Brasil, durante a pandemia do novo coronavírus.

O tipo de violência mais frequentemente relatado foi a ofensa verbal, como insultos e xingamentos. Cerca de 13 milhões de brasileiras (18,6%) experimentaram este tipo de violência.

5,9 milhões de mulheres (8,5%) relataram ter sofrido ameaças de violência física como tapas, empurrões ou chutes.
Cerca de 3,7 milhões de brasileiras (5,4%)sofreram ofensas sexuais ou tentativas forçadas de manter relações sexuais.

2,1 milhões de mulheres (3,1%) sofreram ameaças com faca (arma branca) ou arma de fogo.  1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento (2,4%).

Tramitação

O projeto de lei foi protocolado na Câmara dos Deputados e seguirá para as comissões competentes.

Fórum Brasileiro de Segurança Pública

 

Deixe seu comentário