O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) exonerou nesta quinta-feira (16/04) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O oncologista Nelson Teich foi convidado para o posto, mas o anúncio oficial ainda não foi feito. Mandetta confirmou a demissão em post no Twitter às 16h17:

Bolsonaro e Mandetta discordam sobre a forma de lidar com o combate à pandemia de coronavírus. O ex-ministro apoia medidas de isolamento social adotadas por governadores e prefeitos, que são constantemente atacadas por Bolsonaro. Mandetta também se negou a endossar o uso geral de cloroquina como remédio para a Covid-19, alegando que a ciência não tem indícios suficientes da eficácia do composto defendido por Bolsonaro.

A saída de Mandetta é a oitava troca ministerial de Bolsonaro desde a posse do presidente em 1º de janeiro de 2019.

Ex-deputado federal pelo DEM, Mandetta apoiou Bolsonaro durante a eleição presidencial. Após a vitória do então candidato do PSL, publicou vídeo nas redes sociais no qual disse que foi um “alívio” saber que o eleitor “optou pela renovação” e declarou ter a certeza de que Bolsonaro faria um governo “democrático”, com o “poder técnico prevalecendo sobre o poder político”.

Embate público

Nas últimas semanas, Bolsonaro e Mandetta travaram um embate público ao darem opiniões diferentes sobre a forma de combater o novo coronavírus.

Enquanto o ex-titular da Saúde defende o isolamento, como também orienta a Organização Mundial de Saúde (OMS), o presidente vem defendendo o fim do “confinamento em massa” e a reabertura do comércio.

Em entrevista na semana passada, Bolsonaro disse que ele e Mandetta estão se “bicando há algum tempo”. Em 5 de abril, sem citar nomes, o presidente disse não ter medo de usar a caneta com pessoas do governo que viraram estrelas.