A Auditoria Geral do Estado (AGE) recomendou ao Ministério Público do Pará (MPPA) e à Polícia Civil a prisão preventiva do ex-governador Simão Jatene e de ex-secretários estaduais de obras. O MPPA e a Polícia ainda não se manifestaram sobre o pedido. O ex-governador disse, em nota, que “lamenta o uso político-partidário de um órgão, que em um passado recente foi reconhecido por isenção e transparência”.

Segundo o órgão, que fiscaliza ações e atos governamentais no PA, Jatene e os ex-titulares da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) teriam formado um suposto esquema de desvio de dinheiro do programa Asfalto na Cidade.

De acordo com nota divulgada nesta segunda-feira (29), a AGE instaurou uma investigação preliminar para apurar indícios de mau uso do dinheiro público no programa, criado na administração de Jatene, a fim de melhorar a malha viária dos municípios.

“Durante fiscalização in loco, os auditores confirmaram diversas irregularidades, como obras não executadas ou não concluídas, mesmo com as empresas responsáveis já tendo recebido os valores respectivos”, informou o órgão.

O caso foi denunciado ao MPPA e à Polícia Civil. Um inquérito policial é comandado pela Divisão de Investigação e Operações Especiais (Dioe). Segundo a AGE, a prisão dos investigados é para evitar a destruição de possíveis provas.

G1  PA