Não foram nem alguns segundos após: no mesmo momento em que a notícia do assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco era veiculada, tanto a mídia quanto as celebridades que ela produz já falavam com certeza absoluta que a política havia sido assassinada por policiais, porque supostamente a PM não gosta de “direitos humanos” e de quem é “negra e mulher”, como acusou Gregório Duvivier.

As investigações começam a dar resultado, mas a narrativa da esquerda já precisará dar um plot twist. A Polícia Civil de Minas Gerais diz ter encontrado o carro usado no assassinato de Marielle e do motorista Anderson Gomes. O Logan, contudo, não parece ter um dono que vá “agradar” a esquerda em sua narrativa “Não acabou / Tem que acabar / Eu quero o fim da Polícia Militar”.

Trata-se de Luciano Dias Gonçalves, de 45 anos, mas o carro está no nome da DR da Silva Leilão de Veículos. Luciano, tem algumas passagens por tráfico de drogas. A última prisão dele foi no dia 22 de fevereiro, por porte de arma. Segundo a polícia, ele pagou fiança e foi solto.

O delegado Gutemberg Souza Filho disse que Luciano não soube explicar como e onde comprou o veículo. Luciano Gonçalves deu informações desencontradas.