Tio ‘noiado’ ameaçava as próprias sobrinhas com arma na cabeça para conseguir estuprá-las

Por Bruno Almeida em 29 de abril de 2021 às 15:43 | Atualizado 29 de abril de 2021 às 15:55

Manaus (AM) – Na tarde desta quarta-feira (28), por volta das 14h30 a equipe de investigação da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Humaitá (distante 590 quilômetros em linha reta da capital) cumpriu mandado de prisão preventiva em nome de um homem de 27 anos, por ter abusado sexualmente de duas adolescentes, uma de 15 e outra de 17 anos, que são sobrinhas dele. A ação policial ocorreu no bairro São Cristóvão, naquele município.

Ainda durante a ação, o indivíduo foi autuado em flagrante por tráfico de drogas. Com ele, as equipes apreenderam cerca de 800 gramas de entorpecentes.

De acordo com o delegado Matheus Moreira, titular da DEP, os abusos aconteciam corriqueiramente desde o ano de 2018, na casa do indivíduo. Segundo Moreira, para que os atos sexuais fossem consumados, o indivíduo realizava ameaças com arma de fogo e pressão psicológica às vítimas.

“Há cerca de uma semana, recebemos a denúncia de que o homem estava abusando sexualmente das adolescentes. Iniciamos as investigações e colhemos os depoimentos dos envolvidos no caso. As vítimas afirmaram que o tio possuía envolvimento com entorpecentes, e possuía uma arma de fogo”, contou a autoridade policial.

O titular da DEP explicou que, após ser constatada a denúncia, foi solicitado à Justiça mandado de prisão preventiva em nome dele. A ordem judicial foi expedida no dia 27 de abril deste ano, pelo juiz Charles José Fernandes da Cruz, da 2ª Vara da Comarca de Humaitá.

“Fomos ao endereço dele e conseguimos efetuar sua prisão. No imóvel, localizamos entorpecentes, que ele iria comercializar. Ele foi conduzido à DEP para os procedimentos cabíveis”, relatou Moreira.

Procedimentos – O indivíduo foi indiciado por estupro de vulnerável e autuado por tráfico de drogas. Após os procedimentos na unidade policial, ele permanecerá custodiado na carceragem da DEP, à disposição da Justiça.

 

 

Deixe seu comentário