Amazonas – Está atualmente em fase de testes no Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) uma ferramenta que busca unificar denúncias registradas nas delegacias interativas e em órgãos da capital. O recurso começou a ser desenvolvido pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM) por conta de uma dificuldade enfrentada pela Delegacia Especializada em Crimes Contra o Idoso (DECCI).

De acordo com a delegada Andrea Nascimento, titular da DECCI, o problema que a delegacia enfrenta é receber as denúncias, que são registradas de diferentes opções em toda a capital. “A nossa dificuldade é justamente receber todas as denúncias vindas de vários canais e lugares. Nós não tínhamos, antes, um sistema para centralizar essas denúncias”, disse.

Outro problema citado pela delegada é a repetição de denúncias para o mesmo caso. “Às vezes, a mesma pessoa faz a denúncia pelo disque 100 e pelo 181. E como nosso trabalho era físico, fazendo planilhas, acaba que era comum da equipe fazer diligência em um lugar e, quando alguém ia fazer uma nova diligência, meses depois, descobria que era mesmo lugar que já havia feito antes”, disse.

A delegada explica que a finalidade é dinamizar o trabalho e melhor atender aos idosos vítimas de violência. “É um sistema para funcionamento interno, para que possamos receber as denúncias, lançar no novo sistema e, a partir disso, ter o controle interno, das diligências que foram adotadas, da procedência e improcedência da denúncia, se foi uma ocorrência atípica”.

O chefe do Departamento de Tecnologia da SSP, delegado Bruno Hitotuzi, está à frente do desenvolvimento do novo sistema e explica a importância que essa ação terá na apuração das denúncias.

“Quando chega tudo à Delegacia do Idoso, chegam, por exemplo, dez demandas de apenas um caso. O volume, visto superficialmente, dificulta o trabalho da polícia em estabelecer prioridades em cada caso. O sistema foi criado para organizar todas essas demandas, unificar os casos e priorizar os emergenciais, aqueles nos quais a vida do idoso corre o risco e é necessária intervenção policial urgente”, ressaltou.

Hitotuzi enfatiza que, em muitos casos, por terem bastante dificuldade em relação à saúde e ao bem-estar, idosos acabam optando por registrar denúncias por meio de outros órgãos que oferecem ajuda.

“Em muitas das vezes o idoso vai até a delegacia formalizar a denúncia. Porém, sabemos que isso não é cem por cento dos casos. Muitos idosos têm dificuldade de locomoção, e essas denúncias são feitas através de outros órgãos e por telefonemas, nem sempre diretamente na delegacia”.

O novo sistema ainda está em fase de testes. “O sistema já foi implantado, porém ainda está em fase de testes. Em pouco tempo, a gente vai finalizar esse trabalho e vamos ver o resultado melhor na delegacia do idoso em atendimentos em más situações, gerenciamento de produtividade e tempo de trabalho na delegacia”.