Manaus – Na madrugada deste domingo (8) de março, se comemora o dia Internacional da Mulher, uma data que era para ser celebrada, mas que ficará marcada de forma trágica na vida de uma dona de casa de 46 anos. Ela sofreu uma tentativa de estupro e foi brutalmente agredida, na madrugada deste domingo, na Zona Leste de Manaus. 

Era aproximadamente 4h30, quando a vítima saiu de casa, na comunidade Santa Inês, para buscar as filhas, de 22 e 24 anos, que estavam em uma casa de shows na comunidade Nova Vitória. 

A dona de casa fez um percurso de quase cinco quilômetros a pé, após não localizar as jovens, ela retornou novamente andando para sua residência, mas no caminho foi surpreendida pelo criminoso. O homem, ainda não identificado, arrastou a vítima para um beco e praticou uma sessão de violência contra ela. 

“Ela só não foi estuprada porque lutou. É uma mulher valente e soube se defender”, relatou uma das filhas.

Luta pela vida

A jovem informou que o rosto da mãe ficou desfigurado com o espancamento. “O homem tentou tirar as roupas dela. Ela conta que recebeu vários murros no rosto e quando ela tentou se proteger, ele pegou um tijolo e acertou a cabeça dela. 

Ele, também a agrediu com uma pernamanca nas costas”, disse a filha. 

A filha contou, ainda, que mãe só não morreu porque entrou em luta corporal com o suspeito. “Ela reagiu da forma  pôde e usou dos mesmos materiais que foi agredida para escapar dos abusos. Ela falou, também, que conseguiu pegar um tijolo para atingir o suspeito e durante a briga arranhou, o mordeu nos braços e pernas e desferiu golpes na genitália dele”, relatou a jovem. 

Após não conseguir cometer o abuso sexual contra a dona de casa o suspeito fugiu e deixou a vítima jogada na via. 

A filha conta que para se salvar, a mãe usou as poucas forças que ainda tinha e gritou por socorro. “Um rapaz ouviu e quando a encontrou ligou para o Samu”, disse a jovem. 

A vítima foi levada na ambulância para o Hospital e Pronto-socorro João Lúcio, onde continua internada. Até a publicação desta matéria, não havia uma atualização sobre o estado de saúde da mulher. 

A família também ainda não buscou as autoridades para denunciar o caso. 

“Ainda não fomos na delegacia, estamos cuidado dela, mas vamos fazer o Boletim de Ocorrência”, falou a filha da vítima

 

Fonte: Em Tempo