Jovem é espancado pelo padrasto e acaba se matando em Manaus - Portal CM7 - Notícias de Manaus e Amazonas


Jovem é espancado pelo padrasto e acaba se matando em Manaus

Postado por Eudógio Gonçalves - 31/01/2018 07:53    

Foto: Divulgação

Manaus – Um jovem de 17 anos cometeu suicídio na noite de terça-feira, 30, após ser espancado pelo padrasto, no bairro Terra Nova, Rua Joel, zona Norte de Manaus. Informações que circulam em grupos de whatsapp mostram conversas que ele teve minutos antes de se matar.

Veja as conversas abaixo

Conheça os 10 Principais causas de suicídio:

Em vários momentos da vida, algumas pessoas podem pensar em suicídio por não encontrarem saída para certos problemas que surgem. Sentem-se sem esperança e uma grande angústia vem acompanhada com o pensamento de se privarem do direito de viver. Em outros momentos, a pessoa não quer realmente morrer e sim impressionar os outros com a gravidade de seu dilema.

Segundo algumas pesquisas, de 10 pessoas que possuem pensamento suicida, 8 cometem suicídio, e de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em torno de 3 mil pessoas por dia cometem suicídio no mundo.

1) Solidão
Uma das queixas mais recorrentes na tentativa de suicídio é a solidão. O sentimento de isolamento, de uma angústia profunda por se sentir sozinho, de que ninguém vai compreendê-lo e julgá-lo, de que não agüentam mais e estão cansados, são exemplos de falas dessas pessoas. O silêncio funciona como uma “máscara” que encoberta a dor profunda e a vergonha sentidas.

É possível que a pessoa mesmo rodeada de amigos se sinta solitária. É sempre bom ficar atento aos sinais de isolamento, como baixa auto-estima, tristeza, perda de apetite, desânimo e apatia. A solidão é um sentimento que, caso se torne contínuo na vida da pessoa, pode virar uma doença como a depressão.

2) Depressão
A conseqüência mais desastrosa da depressão é o suicídio. Das 30 mil pessoas que morrem por suicídio nos Estados Unidos a cada ano, por exemplo, a maioria está sofrendo de depressão. Entretanto, já que as mortes por suicídio nem sempre são notificadas (devido ao estigma e ao fato de que muitas mortes acidentais provavelmente são suicídio), o número real ao ano pode chegar a 50 mil.

Na depressão, a pessoa se isola, chora muito, fica irritadiça, não sente mais prazer nas atividades que antes lhe agradavam, prefere não falar sobre seus sentimentos, não confia em ninguém e tem pensamentos suicidas.

3) Presença de outras doenças ou má saúde
Algumas doenças que deixam as pessoas impossibilitadas de alguma forma física, como andar, falar, ouvir, etc, ou, por exemplo, outras doenças como HIV, câncer, uma doença terminal ou transtornos mentais (esquizofrenia, depressão, bipolaridade, distúrbios da ansiedade e a personalidade, bulimia e anorexia, etc), podem contribuir para uma maior desorganização ou desconforto emocional, uma vez que, por essas pessoas acharem que tem uma doença incurável, ficam sem esperanças.

Essas pessoas não conseguem pensar em soluções e lidar com os obstáculos que surgem, sentem-se incapacitadas física e psicologicamente, desesperadas e intoleráveis. O risco de suicídio em pessoas que possuem esquizofrenia, por exemplo, é de 4 a 10%, já que elas podem estar em um estado fora da realidade, ter crises psicóticas e delírio de perseguição.

4) Problemas conjugais e de relacionamento
As brigas recorrentes com os pais e falta de amparo deles, término de um relacionamento, discussões freqüentes com o (a) parceiro (a), divórcio e separação podem levar uma pessoa ao suicídio. Um exemplo seria o de uma mulher que toma uma superdosagem de sonífero quando seu esposo ou amante ameaça deixá-la.

Na maioria das vezes, para estas pessoas, uma relação em que se investiu tempo e toda uma carga emocional é difícil de ser desfeita. A separação ou discussões constantes levam à tristeza e depressão, elevando o risco para cometerem suicídio.

5) Dificuldades financeiras ou profissionais
Dificuldades financeiras, problemas no trabalho, desemprego e perda do status socioeconômico são outros riscos para o suicídio. A riqueza e o poder são volúveis e instáveis, e a qualquer momento estamos sujeitos a perder dinheiro, um emprego e a riqueza que existia antes.

Atualmente, com o aumento do desemprego e a crise econômica, o suicídio parece para muitos ser a única saída possível, que acaba por desencadear solidão, perda de apoio social, crises familiares e sensação de impotência, agravando assim tendências autodestrutivas, abuso de álcool e outras drogas e transtornos mentais, como ansiedade e depressão.

6) Bullying
Atualmente muito se tem falado sobre a relação de bullying e suicídio. Casos ocorridos com crianças e adolescentes que sofreram violência física e/ou psicológica por um grupo de indivíduos na escola, no bairro ou outro local e cometem suicídio tem aumentado.

Diante do bullying, a pessoa passa a ter ansiedade, depressão e pânico. E em certos casos, até a utilizar álcool e outras drogas. Seu medo é constante por sofrer ou tentar evitar esses atos de violência, levando à tristeza e pressão por receio de contar aos familiares e amigos seu sofrimento.

7) Problemas na adolescência e início da vida adulta
A taxa de suicídio entre adolescentes e jovens adultos está aumentando. A incidência de suicídio entre jovens de 15 a 24 anos quadriplicou durante as últimas quatro décadas. Adolescentes suicidas tendem a abandonar os estudos ou a ter problemas de comportamento na escola, embora alguns sejam estudantes talentosos que se sentem pressionados para serem perfeitos e os melhores da turma.

Algumas pesquisas mostram em estudantes do último do ensino médio mostraram que 27% disseram pensar seriamente em se matar. Os universitários têm duas vezes mais chances de se matar do que os que não estão na universidade de mesma idade, pois, segundo alguns estudos, são mais mal-humorados, exigem mais de si mesmos e se deprimem com mais freqüência do que seus colegas não-suicidas.

Dentre os motivos para o suicídio entre eles estão: solidão, viver longe de casa pela primeira vez (no caso de irem morar em repúblicas), receber pouco afeto parental, ter pais alcoólatras, pais divorciados ou separados, enfrentar novos problemas, tentar se sobressair academicamente quando a competição é muito mais forte do que no ensino médio, indecisões quanto à escolha da profissão, solidão causada pela ausência dos velhos amigos e ansiedade em relação aos novos.

8) Luto ou perdas afetivas
Perder um familiar querido (pais, irmãos, cônjuge, filhos) muitas vezes faz certas pessoas cometerem suicídio. Elas acham que podem ter perdido sua única fonte de apoio. Isso acontece muito com idosos que perdem seu parceiro, sua única companhia e de quem cuidava ou era cuidado.

Perder alguém importante é deixar uma lacuna vazia em nossas vidas, uma pessoa que não estará mais presente. Mas para muitas pessoas é comum pensar em cessar a vida, uma vez que estão presenciando prejuízo funcional, preocupação mórbida com desvalorização de si, ideação suicida, e até sintomas psicóticos e retardo motor.

9) Abuso de drogas
Estudos mostram que pessoas que cometeram suicídio quase 60% abusavam de drogas e 84% de álcool e outras drogas. O abuso de drogas faz com que estas pessoas fiquem deprimidas e se matem ou elas recorrem às drogas como uma forma de lidar com a depressão e se matam quando as drogas já não ajudam mais.

Porém, em muitos casos, o abuso de drogas parece ter aparecido antes de problemas psicológicos. Jovens, com menos de 30 anos, usuários de drogas que cometem suicídio tem uma freqüência maior do que a prevista de conflitos interpessoais intensos ou de perda de um cônjuge ou parceiro nas semanas que antecedem o suicídio.

10) Timidez
Pode parecer impossível alguém tímido pensar em suicídio. Porém, a timidez é um dos fatores de risco para uma pessoa cometer suicídio. Mas não se trata aqui da timidez normal e sim da patológica, conhecida pelos profissionais de saúde mental como Transtorno de Ansiedade Social.

Esta timidez patológica limita a vida profissional, social e afetiva. Há um desconforto e inibição que estas pessoas apresentam em seus comportamentos, como: medo intenso, desproporcional e sem motivo aparente; círculo de amizades restrito; evita tudo que é novo; tem rotina rígida; e sente grande necessidade de aprovação dos outros. E tudo isso afeta o prazer de viver, acabando por pensar em suicídio para escapar e não saber como ultrapassar estes obstáculos.

 

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie nas Últimas Notícias
 
Aplicativo da Rádio CM7