Manaus (AM) – Uma casa de prostituição que também oferecia menores de idade para realizar serviços sexuais, acabou sendo desarticulada após denúncias anônimas sobre o funcionamento diurno do local, situado no bairro Colônia Santo Antônio, na zona Norte da capital. A ocorrência foi deflagrada durante a tarde da última quarta-feira (14), e foi encabeçada por policiais civis da Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (DEPCA). 

De acordo com a delegada Joyce Coelho, autoridade titular da especializada, as denúncias sobre a casa de prostituição envolvendo adolescentes chegou de forma anônima por meio de mensagens no whatsapp. As informações davam conta de que no local, uma rede de prostituição oferecia serviços sexuais 24 horas por dia e que parte das garotas de programa disponíveis para os serviços eram menores de idade. 

“Com base nessas informações fomos até o local e montamos uma campana de 3 horas até ter certeza de que o local funcionava de forma criminosa. Ao entrarmos, acabamos encontrando homens usufruindo dos programas oferecidos, entre eles, um estava mantendo relações sexuais com uma adolescente de 17 anos. Após o flagrante, o homem foi preso.”, afirmou a delegada Joyce Coelho. 

Ainda durante a varredura policial, a equipe da DEPCA encontrou ainda mais uma menor de idade, também de 17 anos, e que fazia programas na casa. Além das menores, outras 10 mulheres (maiores de idade) também foram encontradas em condições precárias de higiene. Segundo a polícia civil, o estabelecimento funcionava sobre rígidas regras de convivência estabelecidas por uma mulher de 22 anos, identificada como a cafetina do antro. 

“As duas menores de idade eram as mais procuradas pelos homens que chegavam até o local buscando sexo, e por isso, recebiam pagamento maior do que as demais meninas já maiores de idade. A cafetina da casa exigia que todas as garotas pagassem uma espécie de pedágio para continuarem trabalhando, além de lavarem as próprias roupas de cama. A mulher de 22 anos identificada como a ‘gerente’ da casa também foi presa.”, completou a delegada responsável pelo caso. 

As duas menores de idade foram resgatadas e encaminhadas à Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao adolescente (DEPCA) onde os responsáveis das meninas foram devidamente avisados. Para a surpresa das autoridades, os pais das adolescentes afirmaram que ambas diziam sair para trabalharem em um restaurante e que consequentemente mentiam para seguirem atuando como garotas de programa na casa de prostituição desarticulada. 

Após as prisões do homem que foi flagranteado fazendo sexo com uma das adolescentes e da cafetina do local, a dupla foi indiciada pelos crimes de favorecimento à prostituição e abuso sexual de menores. Os dois devem ficar a disposição da Justiça por meio de uma audiência de custódia. A casa onde a prostituição acontecia foi fechada.