Manaus – Amazonino quer vencer a eleição via EAD (Ensino a Distância), ou seja, através somente da Internet.  Sua reclusão eleitoral o torna suspeito sobre seu estado de saúde, sua equipe vem tentando de todas as formas limar os portais que questionam sua integridade física e metal, usando a justiça para isso. O fato é que aos 80 anos e com um histórico de visitas intensas a São Paulo para tratamento de sua saúde o negão só tem sido On, ou seja, sua campanha tem sido totalmente virtual.

Histórico

Amazonino iniciou sua carreira política em abril de 1983, ao ser nomeado prefeito de Manaus pelo governador Gilberto Mestrinho. Em  1987, Mendes assumiu o cargo de governador de estado, posteriormente voltou para cadeira de prefeito e depois a abandonou para ser novamente Governador. Esta troca de cargo se fez constante por quase 30 anos, sendo eleito quatro vezes governador do Amazonas, três vezes prefeito de Manaus e um mandato de senador. Atualmente, Amazonino insiste em voltar à política para mais uma vez controlar a cidade de Manaus. 

Caindo em contradição, Amazonino foi acusado de estimular o desmatamento das florestas ao distribuir gratuitamente motosserras no interior do estado. Mas em 1989, na Suécia, foi recebido na Academia de Ciências de Estocolmo, na qual discursou apresentando-se como defensor da ecologia e do meio ambiente. 

Tendo uma longa carreira na política amazonense, Mendes possui uma longa lista de processos que reafirma uma gestão problemática e irresponsável, a qual submeteu a capital e o estado ao longo destes anos. 

De todos os processos citados acima, o mais recente se trata de uma ação civil, movida pelo Ministério Público contra a pensão especial que o ex-governador, Amazonino Mendes, recebe até hoje. Pensão esta cujo valor corresponde  à aproximadamente  R$ 30.471,11.

O MP acredita que o estado do Amazonas não deve mais ser obrigado a pagar a pensão a Mendes, visto a lei que o amparava deixou de existir.  Amazonino recorre a decisão na justiça, na esperança de continuar usufruindo do dinheiro público, mesmo sem estar exercendo nenhum cargo atualmente. 

Em um outro processo, do tipo criminal, registrado sob o número 0253225-77.2011.8.04.0001, Amazonino é acusado por prevaricação, desobediência e improbidade administrativa, quando era governador do estado.  A acusação é feita por supostamente Mendes ter retido indevidamente benefícios relacionados a aposentadoria, como ter deixado de pagar, sem motivos, o vale-alimentação pelo período de dois anos. O processo aguarda despacho do Ministério Público. 

Muro Milionário

O Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM), instaurou inquérito civil em 2018 para apurar a construção do muro de proteção no terreno da casa de Amazonino Mendes, localizado às margens do Lago Tarumã, Zona Oeste, e que custou cerca de R$ 1 milhão. O Procurador da República Leonardo Faria Galiano é quem assina o documento.

O inquérito civil foi instaurado para “apurar sob o aspecto ambiental a construção de muro de arrimo em residência particular do Governador do Estado do Amazonas, em área de preservação permanente do Rio Tarumã-Açu, próximo à foz no Rio Negro, atingindo diretamente rio federal”.

Na publicação, o procurador informa que a investigação começou com a Notícia de Fato nº 1.13.000.000622/2018-61, instaurada por meio do ofício n° 0015 da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALEAM).

Com isso, o procurador determinou que o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) forneça no prazo de 10 (dez) dias, informações sobre os fatos narrados, “remetendo-se a respectiva representação da ALEAM, bem como para encaminhar ao MPF a íntegra do procedimento de licenciamento ambiental da obra, se houver, ou justificar motivamente sua ausência”.

Diante das acusações sobre o muro de aproximadamente 100 metros de extensão e cinco de altura, erguido em área da união, sem indicativo de permissão dos órgãos ambientais, com ausência do valor da obra, e sem placa com o nome da empresa contratada, Amazonino mais uma vez, para se defender, alegou Fake News.

Polícia Civil

Em 1989 Amazonino atentou contra a Constituição Federal extinguindo a Polícia Civil, alegando que a mesma estava podre e corrupta. Conforme a constituição, legislar sobre as polícias é atribuição do Congresso Nacional. Isso inclui extinguir, unificar e outros. A avalanche de ações judiciais impetradas por delegados e policiais colocados em disponibilidade fizeram Amazonino restaurar o “status quo”. O então governador teve que pagar vencimentos atrasados de todos os profissionais de Segurança Pública.

Prefeito de Manaus (2009–2012)

Amazonino prometeu que logo que assumisse, em 1º de janeiro, iria criar uma operação tapa-buracos de emergência nas ruas de Manaus, diminuir pela metade as 36 secretarias municipais e pactuar projetos para a capital com o então governador Eduardo Braga (PMDB).

Em 2009 criou o Programa Bolsa Universidade: O Bolsa Universidade foi criado para beneficiar estudantes de baixa renda que não têm condições de custear o pagamento de cursos em universidades particulares.

Amazonino criou a Universidade do Estado do Amazonas (UEA), quando governador, e o Programa Bolsa Universidade, como prefeito de Manaus. A informação foi dada em videoconferência com os moradores do bairro Armando Mendes, zona leste, na noite da última sexta-feira (16/10).

Saúde Frágil 

Não é de hoje que o estado de saúde de Amazonino Mendes é posto em pauta, em 2012 admitiu está gravemente doente, e o mesmo que afirmou repetidamente não ter condições de continuar na vida política, deixando de disputar uma reeleição para prefeito de Manaus. O anuncio foi feito durante uma coletiva de Imprensa. 

“Saímos de uma eleição em que eu não participei e todo mundo esperava que, era natural que eu me candidatar-se. Que é caminho natural de quem tava eleito… Eu há muito tempo já vinha dizendo, não sou candidato, não posso ser candidato, não tenho condições de ser candidato, estou cansado! Não é correto eu ser candidato! Eu sabia que tava doente, mas não sabia que estava tão doente como lá na frente ficou comprovado”, disse Amazonino Mendes.

Atualmente, por estar totalmente afastado do público e realizando apenas encontros virtuais, faltando até mesmo um debate eleitoral, bem estar do político é alvo de dúvidas. 

Eleitores e internautas questionam o porque Mendes é o único candidato que está fazendo a campanha 100% On-line, e interligam a distância de Amazonino outro fato, o de que ele vai constantemente a São Paulo, e surgem mais duvidas, se Amazonino está ou não fazendo um tratamento por lá.  No entanto, Amazonino negou estar doente e ter sido internado no Sírio Libanês. 

A avalanche de informações confundem os eleitores, que ficam com receio de que caso Mendes vença as eleições, nem consiga completar o mandato por estar bastante idoso e com uma saúde duvidosa. 

Com informações do Chumbo Grosso.