Da limonada à ‘água de melancia’, as apostas de Beyoncé para faturar - Portal CM7
 
Adsense Responsivo
Manaus, 16 de June 25 ºC Tempestades
Mercado financeiro
Dólar R$ 3.73 -2.15%
Euro R$ 4.3315 -1.68%
 
 
Home / Últimas Notícias / Negócios / Da limonada à ‘água de melancia’, as apostas de Beyoncé para faturar

Da limonada à ‘água de melancia’, as apostas de Beyoncé para faturar

Postado por | 03/05/2016 16:20

NOVA YORK – Nem só de limonada se faz o sucesso — e os dólares — de Beyoncé. A cantora, que causou furor com seu novo álbum, Lemonade (limonada, em inglês), investe parte de sua fortuna em uma start-up criada há três anos e que explora a “água de melancia”. Com isso, a diva pop se torna a mais nova celebridade a adotar uma postura mais empreendedora em vez de simplesmente endossar um produto.

Beyoncé anunciou, nesta terça-feira, o investimento na World Waters, que produz uma bebida para participantes de esportes que é feita de suco de melancia processado em alta pressão, o Watermelon Water (ou água de melancia, em tradução literal). A empresa vai se tornar mais um elemento do portfólio da cantora de negócios ligados ao bem estar.

Com o novo investimento, Beyoncé entra para o mesmo time da apresentadora de TV Oprah Winfrey e do jogador de basquete LeBron James, o de celebridades que estão trocando o endosso tradicional a um produto pelo investimento direto nas empresas por trás destes. Oprah, por exemplo, comprou uma fatia de cerca de 10% do Vigilantes do Peso. Depois do anúncio da compra, as ações do Vigilantes dobraram de preços.

Para o professor de marketing da escola de negócios de Harvard, Rohit Deshpande, o negócio com a empresa de bebidas faz sentido. O fato de as celebridades colocarem o dinheiro nos produtos que consomem dá credibilidade à divulgação da marca de uma forma que os acordos de endosso não dão, afirma o professor. Hoje, a autenticidade é o que vale, especialmente para os millennials — geração nascida depois dos anos 1980, de acordo com Deshpande.

— Se você é pago para endossar uma marca, há ceticismo da parte dos consumidores quanto a se você está mostrando está pessoa com seu produto porque eles foram pagos por isso ou se eles realmente o usam — afirmou o professor à Bloomberg. — Quando uma pessoa investe em uma companhia, então há um sentimento de que aquela pessoa está realmente interessada.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie nas Últimas Notícias

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA

 
 
Aplicativo da Rádio CM7