A saga de um grupo de 198 brasileiros “presos” no Peru continua. Sem condições para se manter no país vizinho, eles enfrentam necessidades financeiras e pedem ajuda para retornar ao Brasil. No meio de muitas histórias, há quem perdeu o emprego por causa da pandemia de coronavírus e, agora, não tem onde morar nem como se alimentar. As fronteiras do país estão fechadas desde março.

A psicóloga brasileira Rosana Schiff, que reside no Peru, ficou sabendo da situação dos brasileiros e decidiu ajudá-los. Ela conta que conseguiu voos humanitários para outros grupos, mas que há ao menos 198 pessoas sem repatriação.

“Não há voos humanitários saindo do Peru para trazê-los e, no momento, há a alternativa de um voo fretado, mas ele custa US$ 385. Esse custo para essas pessoas são inviáveis”, explica.

Com informações do Metrópoles