Mundo – A crise do coronavírus está afetando as finanças da rainha Elizabeth II e pode colocar em risco até os planos de reparos modernização dos castelos e propriedades reais.

Segundo o relatório de finanças reais divulgado em matéria na revista People, as receitas relativas a visitas de turistas a castelos e promoção de eventos devem cair cerca de US$25 milhões, nos próximos anos. A queda entra no déficit da empresa pública Crown State que gerencia o conjunto de castelos, demais propriedades reais na Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte.

E é dos lucros da Crown State que partem o dinheiro utilizado para custear os deveres oficiais, viagens da rainha, sua família, gastos com segurança, funcionários e de manutenção dos castelos e com as propriedades que abrigam a família real.

Esses recursos levam o nome de Subsídio ao Soberano e são fixados em 15% do lucro da Crown State, que correspondem a US$ 63 milhões, segundo a People. No entanto, como desde 2017, ficou acordado um programa de reformas dos castelos ao custo US$470 milhões divididos em 10 anos, a taxa de subsídio subiu para 25%.

Mas com as receitas em queda, a família real talvez precise economizar para dar conta de bancar as reformas nos próximos sete anos.