Meningite - Topo Postagem

Podemos supera socialistas do PSOE na Espanha antes de eleições

MADRI – A agremiação de esquerda Podemos e seus aliados superaram os socialistas do PSOE nas intenções de voto na Espanha, ocupando o segundo lugar atrás do conservador Partido Popular (PP) em três pesquisas publicadas neste domingo em três dos principais jornais do país a três semanas de novas eleições legislativas.

O PP do atual chefe de governo (primeiro-ministro) interino Mariano Rajoy ocupa o primeiro lugar com entre 27,7% e 31% das intenções de votos — ainda insuficientes para conquistar maioria absoluta no Parlamento — de acordo com os levantamentos encomendados pelos diários “El Pais”, “El Mundo” e “El Español“. Este resultado é similar aos 28,7% obtidos pelo PP nas últimas eleições de 20 de dezembro, nas quais nenhuma coalizão teve apoio suficiente para formar o governo, e por isso foi convocado um novo pleito.

Pelas pesquisas divulgadas antes das eleições marcadas para 26 de junho, o PSOE perderia seu segundo lugar (22% em dezembro), obtendo somente entre 20,2% e 21,6%, enquanto a aliança Unidos Podemos – união entre o Podemos e a agremiação Esquerda Unida – alcançaria entre 23,7% e 25,6% das intenções de voto, mais do que os 20,7% que teve no pleito do fim do ano passado. Podemos, partido próximo ao grego Syriza, formou em maio esta aliança com a Esquerda Unida, conglomerado de comunistas e ecologistas.

Por sua parte, o também novo partido liberal Ciudadanos poderia ocupar o quarto lugar, com um apoio de 14% a 16,6% dos eleitores, contra os 13,9% obtidos em dezembro passado. As pesquisas foram realizadas entre 31 de maio e 3 de junho.

PSOE e PP têm se alternado à frente de quase todos os governos da democracia espanhola após a morte do ditador Francisco Franco em 1975, embora às vezes tendo que recorrer a alianças com partidos nacionalistas. Mas este bipartidismo de fato imperante na Espanha se rompeu nas eleições de dezembro passado, com a ascensão do Podemos e do Ciudadanos.

Estes quatro partidos, porém, foram incapazes de chegar a acordos para formar um Executivo após o pleito, razão pela qual o Felipe VI teve que convocar novas eleições, fato sem precedentes na relativamente recente democracia espanhola. Agora “nos voltamos a encontrar ante um cenário político complexo e um jogo de negociações que poderia adiar la formação do novo Executivo até depois das férias (de verão no Hemisfério Norte) de agosto”, indica editorial publicado pelo “El Mundo”.

ver mais notícias