Mais de 10 milhões de crianças terão desnutrição aguda em 2021

Por Redação Lima em 11 de janeiro de 2021 às 8:01 | Atualizado 11 de janeiro de 2021 às 8:01

Mundo  – Uma estimativa divulgada pela Unicef (Fundo da Nações Unidas para a Infância) na última quarta (30) aponta que mais de 10,4 milhões de crianças sofrerão de desnutrição aguda na África em 2021. A maior concentração da doença causada pela escassez de alimentos está em quatro países: República Democrática do Congo, Sudão do Sul, Iêmen e a região nordeste da Nigéria.

A região do Sahel Central também integra a zona de risco. Em comum, as populações enfrentam a pandemia, conflitos armados e desastres climáticos. “Famílias que normalmente lutam para alimentar seus filhos estão agora à beira da fome”, relatou a diretora executiva da Unicef, Henrietta Fore.

Estimativas pessimistas

Só na República Democrática do Congo, 3,3 milhões de crianças menores de cinco anos devem sofrer desnutrição aguda neste ano. A estimativa é ainda mais pessimista para um milhão de crianças, que poderão enfrentar desnutrição aguda grave.

No noroeste da Nigéria a situação nutricional é calamitosa, alertou a Unicef. Só no estado de Kebbi, a taxa de desnutrição crônica chega a 66% das crianças.

O valor é 20% maior que no estado de Borno, no nordeste do país e o mais afetado pela violência dos radicais do Boko Haram, onde 300 mil crianças estão à beira da morte por falta de alimentos. O Sudão do Sul reúne 7,3 milhões próximas à desnutrição – 60% da população total, estimada em 11 milhões.

A insegurança da região, os desastres climáticos e o acesso limitado a recursos básicos aceleram as taxas de desnutrição. Algo semelhante ocorre nos países do Sahel, como Burkina Faso, Mali e Níger. Em meio a conflitos e choques climáticos, cerca de 5,4 milhões devem chegar à fome extrema em 2021. O Iêmen, que vive a maior crise humanitária do mundo, já soma mais de dois milhões de crianças com menos de cinco anos em desnutrição grave.

Deixe seu comentário