Colorado – Uma mãe fez sua menina de apenas sete anos morrer de fome após fingir que ela tinha uma doença rara e terminal. A pequena Olivia Gant do Colorado nos Estados Unidos na realidade não tinha nenhum problema de saúde, mas sua mãe Kelly Gant convenceu os médicos que ela tinha uma doença terminal.

Ela ainda convenceu os médicos a lhe deixarem assinar uma “ordem de não ressuscitação” e determinou que a sonda que estava alimentando sua filha no hospital fosse desligada. A mãe alegou para os médicos que a pequena Olivia não estava tendo nenhuma qualidade de vida e que seria melhor fazer isso. A pequena acabou morrendo de fome em agosto de 2017, já que teve a sonda desligada.

Após a mãe ter passado anos levando a pequena Olivia a diversos médicos e alegando que ela tinha uma doença rara que gerava complicações como convulsões.

Ao longo dos anos, Kelly também arrecadou cerca de R$ 2 milhões de reais com doações para sua filha. Kelly fez uma lista de desejos da criança antes de morrer e criou uma página na internet, fazendo com que muitas pessoas contribuíssem.

A verdade só começou a vir à tona em 2018. Após a morte de Olivia, Kelly passou a dizer que sua filha mais velha de onze anos tinha câncer.

Um médico suspeitou das alegações da mãe, realizou mais exames na criança e descobriu que ela não tinha câncer e era totalmente saudável.

A descoberta passou a gerar suspeitas sobre o que havia ocorrido com Olivia. E uma autopsia realizada em 2018 revelou que Olivia de fato não tinha nenhum dos supostos problemas de saúde que sua mãe alegava.

Na última segunda-feira (21/10), Kelly foi indiciada por assassinato, abuso infantil e fraude utilizando doações. Ela está aguardando seu julgamento.

Fonte: NotiSul