O Irã admitiu que o avião ucraniano que caiu em seu território na última quarta-feira (8) foi derrubado por erro humano. A TV estatal iraniana leu um comunicado neste sábado e afirmou que os responsáveis serão punidos.

O comandante da seção aeroespacial Guarda Revolucionária iraniana, general Amirali Hajizadeh, assumiu a culpa pelo erro em uma declaração à TV. “Preferiria estar morto a testemunhar um acidente semelhante”, afirmou.

O avião foi confundido com um míssil de cruzeiro, armamento guiado remotamente para liberar ogivas a longas distâncias, e abatido por um míssil de curto alcance. Ele também afirmou que o soldado efetuou o disparo sem ordem por causa de uma interferência nas telecomunicações.

As informações foram anunciadas publicamente após uma reunião do principal órgão de segurança do Irã, conforme antecipou o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, a principal autoridade da República Islâmica, que foi informado sobre o abate acidental do avião ucraniano na sexta-feira.

Após a confirmação da autoria, o presidente iraniano Hassan Rouhani escreveu no Twitter. “A República Islâmica do Irã lamenta profundamente esse erro desastroso”. Ele ainda garantiu que os responsáveis pelo incidente seriam processados. “Meus pensamentos e orações vão para todas as famílias de luto.”

Já o responsável pelas relações exteriores, Javad Zarif, lamentou o erro em uma rede social, mas culpou os Estados Unidos pelo estado de tensão. “O erro humano, em um momento de crise causada pelo aventureirismo americano, levou a um desastre”, afirmou o ministro.

Também em um comunicado emitido pelo presidente ​Volodymyr Zelenskiy , a Ucrânia afirmou que espera uma investigação completa, uma admissão total de culpa e uma compensação por parte do Irã após a queda do avião de passageiros.

O Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã. A aeronave, que decolou às 6h12 na hora local (23h42 de terça em Brasília) e seguia para Kiev, pegou fogo minutos após a decolagem. Todas as 176 pessoas a bordo morreram. Entre as vítimas, havia 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos. Boa parte dos passageiros faria uma conexão para um voo com destino ao Canadá.

A investigação final, a partir da retirada dos dados pode levar um ou dois meses, e o resultado final da investigação, até dois anos, segundo Ali Abedzadeh, chefe da autoridade de aviação civil do Irã. A apuração das causas de acidentes aéreos costuma levar vários meses.