Tailândia – Na última quarta-feira (23) o corpo de Sopajorn foi levado para o local onde aconteceria a cerimônia e depois a cremação. O costume de lavar o rosto com uma flanela, executado pelo marido Thawin Sopajorn, de 73 anos, foi o ato que salvou a vida da idosa.

Momentos antes do corpo entrar no incinerador, Thawin teria notado que a esposa estaria respirando suavemente, além de ter reparado que os olhos dela piscavam. O marido entrou em contato com paramédicos para analisar se a idosa estava viva. Após a ‘ressurreição’, Sopajorn foi levada para casa e deitada ao lado de garrafas de água quente para tentar elevar a temperatura do corpo.

“Achei estranho que o seu corpo não ficou endurecido, e os parentes acharam que eu estava tendo alucinações ao dizer que a esposa estava viva. Minha nora, que é médica, verificou o pulso da minha esposa e confirmou que ela estava viva, mas com pulso muito fraco”, contou Thawin

Os paramédicos informaram que a idosa realmente voltou à vida, mas que não há expectativa de que ela volte a falar. A idosa atualmente está sob os cuidados da família.