Entidade também denunciou como “grave” um decreto do governo interino de Jeanine Áñez que isenta de responsabilidades criminais a participação das Forças Armadas nas manifestações pelo país.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) afirmou que já são “pelo menos” 23 mortos e 715 pessoas feridas desde o início das manifestações na Bolívia, que já ocorrem há quase um mês no país, de acordo com o último levantamento da entidade, que foi divulgado em uma rede social neste sábado (16).

A CIDH subiu de cinco para nove o número de mortos após confronto entre apoiadores do ex-presidente Evo Morales e as forças policiais na sexta-feira (15), em Cochabamba.

A comissão também denunciou como “grave” um decreto do governo interino de Jeanine Áñez que autoriza a participação das Forças Armadas na conservação da ordem pública e isenta-as de responsabilidades criminais.