Dubai – Um ataque de drones atingiu a maior instalação de processamento de petróleo do mundo na Arábia Saudita, na madrugada deste sábado (14). De acordo com o Ministério do Interior saudita, além da instalação, um campo de petróleo em atividade também foi atingido.

As duas instalações eram operadas pela Saudi Aramco, empresa estatal saudita, uma das gigantes da indústria do petróleo, nas cidades de Buqyaq e Khurais.

Não houve pronunciamento oficial sobre o impacto do ataque na produção de petróleo saudita, apesar da TV estatal ter afirmado que as exportações não foram afetadas.

Porém, à Agência Reuters, três fontes familiares com o assunto confirmaram que tanto a produção quanto a exportação de petróleo do país foram interrompidas neste sábado. Uma das fontes especificou que o impacto na produção é de 5 milhões de barris por dia, quase metade da exportação atual da Arábia Saudita.

O grupo rebelde Houthis, do Iêmen, aliado ao governo do Irã, reivindicou mais tarde a autoria do ataque, informando que dez drones atingiram as instalações. Já havia a suspeita de que o grupo seria o responsável.

O ataque  aumentará as tensões em todo o Golfo Pérsico, em meio a um confronto entre os EUA e o Irã por causa de seu acordo nuclear com as potências mundiais. Khurais fica a mais de 800 km de distância do território rebelde no Iêmen dominado pelos Houthis, o
que mostra a habilidade do grupo em ordenar ataques sofisticados a longa distância em território saudita.

Desde 2015, uma coalizão liderada pela Arábia Saudita luta contra o grupo rebelde. Os Houthis, com o apoio do Irã, mantêm o domínio sob a capital do Iêmen, Sanaa, e outros territórios no país mais pobre do mundo árabe.

O grupo já utilizou drones e mísseis em outros ataques na Arábia Saudita, sob a justificativa de retaliação à invasão militar saudita no Iêmen.

Fonte Estadão