O meteoro que caiu em Vacaria, na Serra do Rio Grande do Sul, na madrugada do dia 1º de outubro, tem cerca de 1,74 metro de altura e pesa 9,4 toneladas.

O professor Carlos Fernando Jung, diretor científico da Região Sul da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon), relatou que o corpo espacial era algo do tamanho de uma pessoa adulta ou de um Fusca, só que mas bem mais pesado e mais rápido também.

Tais especificações foram possíveis a partir de análises feitas por pesquisadores que estudaram imagens das câmeras do Observatório Espacial Heller & Jung e do Clima ao Vivo, responsáveis pelos registros do fenômeno.  Segundo Jung, “a partir dessas medições, foi calculado que o bólido explodiu sobre o Rio Grande do Sul, com uma energia equivalente a 220 toneladas de dinamite”.

Localização dos fragmentos

Os especialistas concluíram, com base na triangulação de vídeos registrados no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, que o bólido teve uma trajetória predominantemente de Sul-Sudeste para Norte-Noroeste.

Segundo o professor, “a rocha espacial atingiu a atmosfera da Terra em um ângulo de 40,5° em relação ao solo, e numa velocidade de 59,6 mil km/h. Iniciou sua fase brilhante a 75,3 km de altitude a leste de Caxias do Sul. Um brilho 40 vezes maior que a Lua Cheia, até se extinguir a 17,3 km de altitude, a oeste de Vacaria”.