Manaus – O portal CM7 recebeu com exclusividade a denúncia que o líder de produção da Moto Honda, Valdecy Matos da Silva, estuprou uma funcionária com deficiência auditiva de 41 anos. O crime ocorreu no dia 24 de novembro de 2018.

De acordo com informações do Boletim de Ocorrência (BO), a mulher era constantemente assediada pelo líder de produção da Moto Honda que enviava  várias mensagens para ela mostrando interesse. O líder de produção, convidou a mulher diversas vezes para irem ao Motel Real, localizado na Avenida Autaz Mirim, Zona Leste de Manaus. 

Em uma das vezes, o homem agarrou a vítima com muita força e a imprensou contra a parede dentro do ambiente de trabalho.

No estacionamento da empresa, Valdecy seduziu a mulher e a levou a força para o motel onde foi praticado o crime. Ainda segundo o boletim, por vergonha, a mulher escondeu do marido o que tinha ocorrido, mas no dia 3 de dezembro de 2018 o marido da vítima tomou conhecimento e orientou a esposa a comunicar ao chefe superior.

A vítima informou o caso para o superior que disse que a mudaria de setor, mas traumatizada com toda a situação ela preferiu pedir demissão da empresa. 

De acordo com informações do denunciante, a empresa tentou esconder o caso para proteger o nome da empresa, e Valdecy só foi demitido depois que a polícia contou o caso para o diretor presidente da empresa. 

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SEPED), foi até a casa da vítima onde prestou todo apoio.

O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM). 

Atualizado às 14h32

A advogada de defesa do acusado entrou em contato com a redação do Portal CM7 e enviou uma nota esclarecendo a outra versão.

Veja a nota na íntegra 

Sou advogada Priscila Neves Silva costa, em relação a matéria de estupro do suposto acusado VALDECY MATOS DA SILVA, primeiramente gostaria de informar que, não houve nenhum tipo de crime tipificado no disposto do artigo 213 do CPB, e isso foi declarado pela própria SUPOSTA VÍTIMA, que em seu depoimento junto a DECCM que, seu casamento não estava indo bem, e que estava apaixonada pelo meu cliente. No entanto, cabe ainda ressaltar que, o senhor ELIZEU ROLIM, não aceita a traição, procurou e está procurando por diversos meios prejudicar o meu cliente, ameaças de morte, inclusive tivemos uma audiência no JECRIM onde ele ameaçou e fizemos o acordo, em que ele assinou não mais prejudicar a família do meu cliente e o próprio, conforme processo n. 0600177-18.2019.8.04.0015 – 13 JECRIM MARIO VERCOZA. e não satisfeito foi ate a delegacia da mulher, ele mesmo quem fez o boletim de ocorrência e queria ele mesmo falar na presença da escrivã, ou seja, prejudicar mesmo o senhor VALDECY, porém, a Dra Debora Mafra, não o deixou e ainda modificou o tipo penal para 215 DO CPB, OU SEJA, NÃO EXISTE 213 DO CPB. O Inquérito está sendo instaurado e vai ser levado à justiça e provaremos que não houve nenhum crime, e que tudo se trata de uma perseguição por parte de ELIZEU ROLIM. Gostaria que fosse devidamente publicada a minha nota,e qualquer esclarecimentos estarei à disposição.