Brasil – Ontem (30), o juiz Marcelo Ivo de Oliveira condenou Ewerton Cesar Ferriol, o dançarino Tom Brasil, por 4 estupros. Ele foi denunciado ao todo por 8 crimes contra adolescentes, todas alunas da escola de dança em que ele dava aulas, mas foi absolvido nos outros processos, dos quais ainda cabem recurso sobre a sentença.

O Jornal Midiamax apurou que, com uma das vítimas, que na época tinha 16 anos, Tom teve um filho. A vítima sofreu os abusos entre 2012 e 2013 e alegou que o dançarino a estuprou e tirou a virgindade dela. Ainda conforme os relatos da menina, ela chegou a ser mandada embora da academia de dança por não concordar com os abusos.

Nos autos do processo, a vítima chega a relatar que sabia que, se voltasse para a academia de dança, seria estuprada novamente e assediada pelo dançarino. A vítima engravidou de Ewerton, que segundo ela não assumiu a paternidade. Então, em novembro de 2019 que a Justiça exigiu coleta de material genético e a partir do exame confirmou a paternidade.

Nas 4 condenações por estupro, com aumento de pena pela condição hierárquica do dançarino, da qual ele se aproveitava para cometer os crimes, a sentença foi a mesma. Em todas Tom foi condenado a 5 anos de reclusão, com cumprimento inicial da pena em regime semiaberto e com direito de apelar da decisão em liberdade. Ou seja, a prisão só acontece após os processos transitarem em julgado.

Outras condenações

As outras vítimas todas sofreram o mesmo tipo de abuso por parte do professor. Uma tinha 16 anos e foi estuprada de 2015 a 2017. Ela conta em depoimento que sofria ameaças de ser cortada da academia e foi estuprada por ele tanto no salão de dança quanto em outros locais.

Além dela, uma vítima que foi estuprada em 2008 também tinha 16 anos na época do crime. Ela conta que o professor começou a marcar aulas extras com ela, alegando que a vítima precisava melhorar o desempenho. Assim, ele aproveitava da situação e estuprava a vítima, além de praticar atos libidinosos.

A quarta vítima tinha 14 anos na época dos fatos, que ocorreram entre 2013 e 2017. Ela contou que também era virgem quando o dançarino começou a constrange-la, questionar sobre o namorado dela e a praticar os atos, a beijando a força por exemplo. Após vários abusos, ele a estuprou.

Das condenações, a defesa do réu ainda pode recorrer. Outros 3 processos por denúncias de estupro resultaram na absolvição de Tom, mas as acusações já entraram com recurso, na tentativa de reverter a sentença. Ainda há também mais uma denúncia que aguarda julgamento.

Fonte: Midiamix