Amazonas – O reajuste da tarifa de energia elétrica para todo Estado, a partir do dia 1º de novembro, foi um dos assuntos de destaques durante a Sessão Plenária desta terça-feira (27), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). 

O deputado Serafim Corrêa (PSB) abriu os pronunciamentos do Pequeno Expediente, lembrando que foi a empresa Amazonas Energia quem solicitou à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorização para reajustar as contas, em média, em 5,31%. A Aneel autorizou o reajuste na manhã desta terça-feira (27). “Eu repudio esse aumento, porque não se justifica punir mais ainda o consumidor amazonense”, declarou Corrêa.

Os deputados João Luiz (PRB), Álvaro Campêlo (Progressistas) e Sinésio Campos (PT) também se manifestaram sobre o assunto. Presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Aleam (CDC/Aleam), João Luiz disse ter participado de uma reunião, na segunda-feira (26), com representantes da Aneel, quando questionou esse possível reajuste. “Vamos participar da reunião de hoje, onde vou sustentar que esse aumento irá promover uma cadeia de aumentos, como dos pescadores, que precisam armazenar seus produtos, dos supermercados, e assim sucessivamente”.
Já o deputado Álvaro Campelo, também se posicionando contrário ao aumento, pediu que a CDC/Aleam ingresse como uma Ação Civil Pública (ACP), pleiteando a suspensão antecipada do reajuste. O deputado Sinésio Campos lembrou que na época da privatização da empresa Amazonas Energia a promessa era da melhoria da prestação dos serviços, com preços justos, porém, alegou Campos, não é o que vem ocorrendo. “São constantes as interrupções no fornecimento de energia elétrica, especialmente nas comunidades do interior, que chegam a passar dias e dias sem luz”, disse.