Manaus – O candidato a prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), disse durante o debate promovido pela Band Amazonas, na noite desta quinta-feira (19), que a ausência de Amazonino Mendes no programa foi uma estratégia de marketing. Para David, a equipe do adversário tenta esconder a fragilidade do candidato do Podemos, e a relação dele com o senador Eduardo Braga.

“A cada aparição, Amazonino demonstra que chegou o momento de parar. A ausência dele é uma estratégia de marketing para que ele possa ser escondido. No momento ele não reúne as condições para cuidar de Manaus, pois a cidade precisa de alguém com capacidade e competência e não vejo mais isso nele”, afirmou David.

No debate, que acabou virando entrevista, pela ausência de Amazonino, David reafirmou seu compromisso de cuidar das pessoas, dos jovens e da infraestrutura da cidade.

Ele destacou algumas das prioridades da sua futura gestão, que vai priorizar o cuidado das pessoas, a preparação dos jovens para os desafios do futuro, com melhores escolas, profissionais da educação mais preparados, alimentação para os alunos da rede municipal, ampliação do Bolsa Universidade e Bolsa Idiomas, bem como os investimentos para melhorar a mobilidade urbana.

“É impossível um prefeito que conheça a realidade de Manaus não se compadecer da situação das pessoas que estão sofrendo há mais de 30 anos, porque os administradores, como o Amazonino Mendes, que já tiveram tempo, dinheiro e apoio político, mas não resolveram alguns dos principais problemas da cidade”, disse ele, destacando que o adversário não deveria estar pedindo votos, mas sim desculpas do eleitor.

Vítima de ataques

Depois de pontuar algumas das principais ações do seu Plano de Governo, David Almeida revelou que está sendo vítima de um “corrente do mal” comandada pelo senador Eduardo Braga e Amazonino Mendes, que intensificou os ataques contra ele e sua família agora, após a sua passagem para o segundo turno.

“Eles estão querendo, mais uma vez, enganar o eleitor, dizendo que a minha candidatura tem apoio dos caciques. Não tenho apoio de ninguém, só do povo”, assegurou, lembrando que Wilson Lima foi criação do Amazonino, para tirar voto dele na eleição passada, e que o Amazonino foi ressuscitado pelo senador Omar Aziz (PSD). “Eu estou há três eleições combatendo todo mundo. O Arthur e o Braga estão apoiando o Amazonino. Eu fui convidado três vezes para ser vice do Amazonino, mas não aceitei, porque eu não quero resolver o meu problema, mas sim o das pessoas que moram na periferia da nossa cidade”, afirmou.