Manaus – A Rede Calderaro de Comunicação (RCC) divulgou que a partir de ontem, segunda, dia 4, não mais transmite a programação da Rede Record. Isso levou a TV A Crítica a despencar do segundo para o sexto lugar na audiência, depois que enxertou programas da RedeTV para cobrir os buracos deixados pela emissora do bispo Edir Macedo.

Essa decisão foi anunciada pelo vice-presidente da RCC e diretor da TV A Crítica, Dissica Calderaro. Segundo ele, o uso de programas da RedeTV, da qual a empresa detém os direitos de concessão, é temporário. Até que a emissora crie novos programas caseiros.

O neto do fundador da marca A Crítica, o falecido Umberto Calderaro Filho, disse aos funcionários da casa que a TV se lança ao desafio de manter programação 24 horas só com pauta local.

Tal desafio é maior diante da perda de profissionais de ponta que levaram a emissora a ficar entre as três primeiras na preferência dos telespectadores.

TV A Crítica tenta voltar aos braços do SBT de Sílvio Santos

A lei do ex
E por ironia do destino, a TV A Crítica perde seus melhores jornalistas justamente para a nova casa da Record, comandada por uma cria de Dissica, a repórter Fabíola Gadelha, a “Rabo de Arraia”, que ganhou presença nacional pelas mãos do falecido jornalista Marcelo Rezende, na Record de São Paulo.

Dissica informou que a estratégia inicial será esticar o tempo dos principais programas, como “Alô Amazonas”, “Magazine”, “A Crítica na TV”, também para os sábados. E no domingo fazer reprises.

Festa do boi
A empresa contava com a Record para transmitir o Festival Folclórico de Parintins para todo o país nos dias 28, 29 e 30 deste mês.

Agora, a esperança é usar o sinal da TV Cultura para cumprir o contrato de transmissão com a organização do evento.

Fonte: BNC