Prefeitura de Manaus avalia termo de ajustamento com metalúrgicas e empresas de sucata

Por Letícia Caxias em 19 de julho de 2021 às 20:37 | Atualizado 19 de julho de 2021 às 20:37

Manaus – As tratativas para um Termo de Ajustamento entre a Prefeitura de Manaus e as oito maiores empresas de metalurgia e venda de sucata da capital tiveram início nesta segunda-feira, 19/7, à tarde, durante uma reunião entre o diretor-presidente da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman), Fábio Alho, o futuro secretário de Defesa Social do município, Sérgio Fontes, e o empresário Valter Ribeiro.

A iniciativa atende à uma determinação do prefeito David Almeida de coibir o furto de material metálico proveniente dos serviços públicos essenciais como iluminação pública, saneamento básico, comunicação, entre outros.

A medida foi anunciada durante a reunião, na sede de uma das maiores empresas de reciclagem de metal, localizada na zona Leste, pertencente a Ribeiro, que apresentou aos representantes da Prefeitura de Manaus o trabalho executado no local, que é o maior centro de reciclagem de Manaus.

“A intenção é propor que esses empresários não façam a aquisição ou a recepção de materiais utilizados pelas concessionárias de serviços essenciais regulados como tampas de ferro fundido, pedaços de tubulação em aço carbono ou PVC da concessionária de água, luminárias, baterias, postes metálicos e cabos elétricos pertencentes à estrutura que é utilizada para garantir a oferta, por exemplo, do serviço de iluminação pública da capital, entre outros materiais em cobre ou alumínio”, afirmou Fábio.

Ainda segundo ele, quando esses materiais são furtados dos equipamentos urbanos, causam enormes prejuízos aos usuários, comprometendo os diversos serviços de comunicação, de iluminação e o próprio abastecimento de água.

“O prefeito David Almeida está muito preocupado com esses furtos e além desse termo, estamos estudando outros meios, inclusive de cunho social e educativo, para ajudar os pequenos sucateiros e dessa forma conscientizá-los”, observou Sérgio.

Operação Hefesto

Há 15 dias, o governo do Estado, por meio das forças de segurança e a Prefeitura de Manaus, com a atuação de várias secretarias municipais, deflagraram a operação Hefesto, uma ação integrada em todas as zonas da cidade em que foram fiscalizados 169 estabelecimentos, dos quais 74 foram interditados, 65 autuados e cinco toneladas de material de procedência suspeita foram apreendidas.

* Com informações da assessoria

Deixe seu comentário