Centenas de motoristas de aplicativos se reuniram na manhã desta terça-feira (11) em frente à Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), na Zona Centro-Sul de Manaus, em protesto contra o preço da gasolina. Um grupo de representantes da categoria foi recebido no local para reunião com os deputados.

Parte da Avenida Mário Ypiranga ficou ocupada pela categoria. Agentes do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) estiveram no local para controlar a movimentação.

De acordo com a motorista e integrante da comissão de defesa do consumidor, Kátia Souza, além de protestarem contra o preço da gasolina, ela informou que existe uma CPI dos combustíveis instaurada que investiga a formação de cartel em Manaus.

“Existe essa CPI instaurada que simplesmente a gente não vê nenhum tipo de resultado ou ação. Mostra exatamente o preço abusivo da gasolina, e os postos fazem o que querem na cidade”, disse.


Kátia relatou ainda que vê a atuação do Programa Estadual de Proteção e Orientação ao Consumidor do estado do Amazonas (Procon) na capital, mas que a classe necessita de todos os órgãos em conjunto para que haja “algum tipo de resultado”.

O diretor do Procon, Jalil Fraxe, acompanhou a manifestação dos motoristas e disse que o órgão já iniciou o trabalho contra o aumento no preço da gasolina.

“Na semana passada, nós notificamos seis distribuidoras. Ainda há prazo para apresentarem a documentação, e uma empresa nos pediu uma dilação de prazo, disse que era muita documentação e necessitava de mais cinco dias. Agora, com a força-tarefa, nós vamos iniciar as fiscalizações nos postos de gasolina”, informou.

Uma equipe de representantes dos motoristas junto ao Procon e à Ordem dos Advogados do Brasil seccional Amazonas (OAB-AM) entraram em reunião na sede da Aleam em busca de soluções.