Manaus – Família de biólogo e professor de Ensino Médio em Parintins, Ney Augusto Souza, se revoltou após a divulgação da suposta causa do falecimento do parintinense. Ney Augusto foi vítima de câncer na garganta, em Manaus.

Uma notícia foi publicada, porém, dando a entender que teria sido vítima do Covid-19. “Isso não é verdade, meu irmão lutava contra o câncer há cerca de dez anos e estava debilitado”, disse Socorro Souza. Ney tinha dez irmãos, nove ainda vivos. Ney estava em casa, em Manaus, quando sofreu uma parada cardíaca. O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu), acionado, chegou a ir até lá, mas ele havia falecido. “Passou mal e faleceu em casa”, frisa Socorro”.

O professor será sepultado na capital porque não foi possível transportá-lo para Parintins. “Tem o problema da aglomeração, que seria quase inevitável, e o fechamento de portos e aeroporto. A gente não conseguiu trazê-lo e ele será mesmo sepultado em Manaus”, disse a irmã. A pandemia do Coronavírus e a demora dos testes de infecção tem causado dúvidas. Paciente faleceu no Delphina Aziz, nesta sexta (28/03), mas o teste do vírus saiu apenas neste sábado. “A gente sabe que houve uma única morte por Coronavírus e que foi um morador de Parintins. Logo que saiu a notícia da morte do Ney houve várias manifestações de carinho por ele. Depois veio essa notícia na TV fazendo parecer que foi de Coronavírus. É preciso esclarecer que, como professor, ele contraiu o câncer na garganta e não se cuidou. Estava frágil, em casa e faleceu disso”, disse Socorro Souza.

Parintins está sob toque de recolher, sugerido pelo Ministério Público Estadual (MPE) e decretado pela Prefeitura Municipal. A cidade foi lavada com hipoclorito (água sanitária) e tem se esforçado no combate à doença.

Fonte: Portal Marcos Santos