Manaus – As distribuidoras e postos de gasolina de Manaus decidiram ignorar a pressão dos motoristas de aplicativos, de alguns deputados estaduais, do Ministério Público e mantiveram os elevados preços dos combustíveis. O litro da gasolina comum é comercializado por até R$ 4,99, após três reduções consecutivas dos preços nas refinarias. Na segunda-feira (03), o Ministério Público do Amazonas decidiu instaurar inquérito para investigar a prática de preço abusivo, “com apuração de responsabilidade criminal de forma robusta e efetiva”, prometeu a promotora de Justiça Sheila Andrade.

 Multas não são pagas

Nas últimas semanas 24 multas foram aplicadas pelo Procon aos donos de postos nas fiscalizações para coibir o aumento abusivo. Mas multas não são pagas e nem os preços caem, num claro enfrentamento aos órgãos de fiscalização e controle. Tudo indica que os preços só serão reduzidos se os Governos Federal e Estadual reduzirem a carga tributária em torno de 44%

Grande negócio

Pela quantidade de postos em Manaus e outros em construção, a conclusão é que trata-se de um excelente negócio ou então, tem outros interesses.

Campelo quer ICMS menor

O deputado estadual Alvaro Campelo (Progressistas) quer sensibilizar o governador Wilson Lima de que reduzindo o ICMS gradativamente de 25% para 17%, a arrecadação não vai cair. Campelo tem projeto que reduz a cada ano o ICMS em dois pontos percentuais até chegar aos 17%. Ele falou desse projeto nesta segunda-feira (3) no programa 18Horas da rádio Mix.

Fonte Portal único