Cheia do rio Negro começa a mudar cenário turístico da praia da Ponta Negra, mesmo revitalizada

Por Azevedo em 31 de maio de 2021 às 16:18 | Atualizado 31 de maio de 2021 às 16:18

Manaus – Com o rio Negro na marca recorde da maior enchente no Amazonas, ao alcançar os 29,97 metros, uma parte da praia do complexo turístico Ponta Negra está encoberta pelas águas escuras, deixando o ambiente ainda mais bonito para contemplação da cheia. A área mais próxima dos banheiros do calçadão e de acesso à escola de remo tem trechos cobertos pelo rio.

Por decreto, o prefeito de Manaus, David Almeida, passou a permitir o acesso à praia nos dias úteis da semana, de segunda a sexta-feira, de 6h às 17h. Além das questões de enfrentamento da pandemia da Covid-19, o Amazonas vive agora a maior cheia do rio Negro. Com a enchente, a área de praia está reduzida e os frequentadores devem respeitar as marcações feitas pelos salva-vidas do Corpo de Bombeiros, mantendo sua segurança.

Apesar do rio cheio, a praia perene está nivelada. Os salva-vidas estão na praia para prevenção e possível necessidade de resgate nas águas. Desde 2011, a praia não desaparece mais sob as águas do Negro durante a enchente. A técnica perene foi a mesma usada em praias famosas como a de Copacabana, no Rio de Janeiro, e nas ilhas artificiais de Dubai, nos Emirados Árabes.

A praia perene, que tem 4,8 mil metros quadrados, foi entregue durante a obra de requalificação da primeira etapa da Ponta Negra, no ano de 2012.

“Nossa principal orientação é para que os banhistas procurem as áreas conhecidas e demarcadas, previamente supervisionadas pelos salva-vidas. E usar de bom senso e agir com prudência. Há pessoas que não têm tanta habilidade em nadar ou tanta afinidade com a água, e não devem negligenciar a própria segurança, nadando para longe. Pode acontecer de se desgastarem fisicamente ou sentirem uma câimbra, entrar em pânico e iniciar um processo de afogamento”, alerta o sargento do Corpo de Bombeiros Leandro Nunes.

Outro conselho é evitar o consumo excessivo de bebida alcóolica, que altera o comportamento e pode levar a uma situação de risco. “A pessoa passa a se arriscar mais, principalmente os homens jovens, o que pode levar a um afogamento. Nossos rios passam seis meses na vazante e seis meses enchendo. O terreno não supervisionado pode ter algum buraco, pedras, paus. Importante saber onde vai tomar um banho. Na dúvida, consulte um bombeiro, salva-vidas ou guarda municipal”, alerta o sargento.

E as crianças, especialmente as menores de 8 anos, devem ficar aos cuidados e com atenção redobrada de pais e responsáveis.

A praia segue interditada nos finais de semana, feriados e pontos facultativos, e agentes de segurança, como os da Guarda Municipal e Polícia Militar, estão atuando para retirada de quem insiste em desrespeitar o uso correto no balneário. O parque é gerenciado pelo Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb).

Segurança no rio

A Prefeitura de Manaus ressalta que é importante respeitar as normas de uso do espaço e não ultrapassar o cordão de isolamento na água, colocado pela equipe de salva-vidas do Corpo de Bombeiros, que indica a área de segurança dos banhistas no rio. Além do horário indicado para banho – até as 17h – e a preocupação com as crianças dentro do rio, a recomendação principal é o cuidado no consumo de bebidas alcoólicas.

Os corpos permanentes de segurança, incluindo Guarda Municipal, com ciclopatrulha, a Polícia Militar e bombeiros atuam no monitoramento da praia e na segurança dos banhistas até 17h, bem como na segurança e manutenção do patrimônio de todo o complexo. Equipes da Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) também reforçam a higiene do calçadão e da praia perene.

Pandemia

Mesmo com a flexibilização, a Prefeitura de Manaus ressalta a importância de proteção individual, com o uso de máscara, limpeza das mãos com lavagem e uso de álcool gel, além da manutenção do distanciamento mínimo.

Com informações da Assessoria

Deixe seu comentário